Na esquina

03/05/2014

 

Esquina, lugar de encontro.

 

E a Esquina Mocotó nasceu, provavelmente, com a vocação dos encontros.

 

Em primeiro lugar, o que reúne a cozinha despojada e de viés popular do vizinho Mocotó com a gastronomia ascendente de uma cidade que se pretende grandiosa nas comidas —ou de um país que vende, para o exterior, uma imagem vaidosa, imprecisa e algo caricatural de suas origens e práticas culinárias.

 

Em segundo lugar, um encontro social: o do morador do centro ou dos bairros ricos, que concebe (mesmo que não confesse) seu passeio à Vila Medeiros como um gesto sociológico.

 

Poderia ter dado errado; felizmente deu certo. E, se deu certo, foi porque há algo que ultrapassa, e com facilidade, os esquematismos sociais e os maniqueísmos dos discursos: a boa comida.

 

O Mocotó servia e serve boa comida; o Esquina Mocotó serve boa comida. Dissolvem-se assim as teorias e confirma-se o prazer de comer —o que, convenhamos, é o que importa num restaurante.

 

Esquina Mocotó foi o lugar que escolhi para comemorar um encontro pessoal: o dos 50 anos, que completarei daqui a uns dias. E, numa sexta-feira quase feriado, dois de maio enforcado, cruzei os doze quilômetros que me separam da Zona Norte.

 

Curioso é que nossa refeição foi, a seu modo, uma demonstração de outro encontro, nem tão feliz: o da boa —na verdade, ótima— comida com uma experiência algo desagradável.

 

Porque a comida é o principal numa casa, mas não é imune aos problemas que podem cercá-la.

 

A caipirinha desequilibrada, por exemplo, em que o caju mal dava o ar da graça e o gengibre (na combinação com abacaxi) parecia totalmente ausente.

 

Ou o serviço, incrivelmente simpático e imensamente confuso. Com 80% das mesas ocupadas, penamos (e dois casais mais velhos, das mesas vizinhas, seguiam destino igual) para conseguir que alguém anotasse nossos pedidos ou trouxesse aquela garrafa de água, já pedida e quase esquecida.

 

Também a reserva de mesa com vários dias de antecedência não nos salvou de receber provavelmente a pior do restaurante: nos acomodaram, três pessoas, numa mesa para dois ao lado da área de espera, com vista para a parede. Quando a casa lotou e novos comensais aguardavam sua vez, precisávamos desviar de bolsas e cotovelos. Ruim.

 

Lutamos para abstrair o entorno e olhar para o lado bom —era uma comemoração, afinal, e de meio século de vida.

 

Pois a comida nos salvou. A extraordinária Porcaria —já e justamente decantada em verso e prosa— abriu o almoço, com ótimos embutidos, um porco na lata meio inexpressivo e dadinhos de porco sensacionais: foi necessário, inclusive, pedir uma porção inteira só deles.

 

Minha filha escolheu a carne de sol com baião de dois sertanejo. Embora não estivesse tão boa quanto a que comi em outra visita, a carne era suculenta e de gosto bem definido. O baião de dois parece mais italiano que sertanejo —assemelha-se a um risoto—, mas a procedência é secundária em relação ao sabor.

 

O pirarucu, acompanhado de cuscuz/farofa de castanha do Pará e vegetais —prato de minha mulher—, estava tenro, delicado, incisivo. O cabrito com que sonhei no caminho não podia ser servido, por falta do ingrediente. Fiquei com a costelinha de porco, macia, viva, deliciosa, servida com uma das tantas farofas excelentes da casa: foi o melhor prato.

 

Na sobremesa, ótimo sorbet de jabuticaba e excelente panna cotta de umbu, ligeiramente atrapalhada pelo dulçor excessivo da calda.

 

Valer a pena, valeu. Se dependesse do funcionamento geral da casa, não voltaria lá tão cedo. A depender da comida, quero ir lá toda semana.

 

Mais do que a localização geográfica —na esquina, essa metáfora—, talvez o contraste ajude a compreender a peculiaridade do restaurante, a demonstrar suas ambiguidades, a definir sua relação com o irmão e vizinho Mocotó.

 

Ou, ainda, a ilustrar os caminhos nada lineares ou regulares por onde circulam os restaurantes paulistanos.

 

 

Esquina Mocotó

Avenida Nossa Senhora do Loreto, 1104, Vila Medeiros, SP

tel. 11 2949 7049

 

About these ads

4 Respostas to “Na esquina”


  1. Olá, Alhos! Obrigado pela visita e parabéns pelos 50 anos. Mais um agradecimento e um cumprimento pelo texto, como sempre delicioso. Lamentamos por não ter tido a experiência que merecia nesse dia, uma pena mesmo. Mas torço pra que possa voltar em breve (ao menos antes dos 51!) e provar dentre outras pedidas, o cabrito com feijão guandu. Tenho certeza de que terá um grande almoço ou jantar, em todos os sentidos. Um forte abraço!

  2. alhos Says:

    Rodrigo,
    obrigado por su leitura e por seu comentário.
    Voltaremos, claro, muitas vezes.
    Abraços!

  3. Ricardo Says:

    Lamentável a falta de sensibilidade de alguns donos de restaurante. Penso que uma experiência gastronômica para ser considerada boa tem que ser completa. Em nome da fama, da ganância e do repentino estrelato, esquecem de um dos mais comezinhos princípios da restauração, que é acomodar bem àqueles que procuram seus estabelecimentos.

  4. alhos Says:

    Ricardo,
    tudo bem?
    O atendimento do Mocotó de fato não está à altura da comida. Mas, diferentemente do que acontecem em outros restaurantes, os problemas de serviço não me parecem ser fruto do descaso, e sim de uma organização meio confusa.
    Abraços!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 167 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: