Por que ir a restaurante? (parte II)

05/06/2009

 

Fim de maio: já estava na hora de encerrar as comemorações do meu aniversário.

Para cumprir a promessa feita no início do mês, voltamos ao Marcel, agora para a degustação.

Começamos com o habitual foie com uva na cachaça e broto de beterraba. Pequeno: só a ponta mais saborosa da peça – bem saborosa.

A segunda entrada era uma novidade para nós: gema de ovo caipira com farofa de cogumelos (batidos e rebatidos no liquidificador) e cogumelos laminados, acompanhados de brotinhos – um deles, de jambu, para encerrar o prato com uma sensação tátil diferente.

Antes do primeiro prato principal, o chef mandou um prato de cogumelos fresquíssimos, recém-chegados do Rio Grande do Sul, levemente salteados, com pinoli e emulsão de alho. O mérito do prato, no caso, foi não mexer no que já tem sabor por si mesmo. Deliciosos cogumelos.

Os pratos principais foram bacalhau e cordeiro.

O bacalhau, na textura e no ponto exato, vinha com o acompanhamento de três nhoques fritos, tomate confitado, azeite e um bolinho de batata. Para lembrar que bacalhau é um tremendo peixe, apesar de tão maltratado em restaurantes e casas de família (as nossas, por exemplo).

O cordeiro tinha um molho puxado no curry e trazia, junto, um maravilhoso folheado de raízes: mandioquinha, cará e inhame. O cordeiro estava ótimo; o folheado, melhor.

Depois, o fechamento clássico: queijo de coalho com melaço e grana padano, manga com aparência de fios de ovos e suflê de cupuaçu.

Durante a refeição toda, uma miríade de brotinhos de todo tipo passearam pelos pratos e os refrescaram, variando e combinando sabores. Que eles cresçam e se multipliquem…

Acompanhamos tudo com um Tondonia Reserva 99, de López Heredia, que ainda agüentaria com tranqüilidade uns 30 anos, mas já estava muito bom.

Conta de 280 reais; aumentamos o serviço e corrigimos o total para 300 para compensar a não-cobrança de rolha.

Maio encerrava com glória. Já tínhamos absoluta certeza de que valia muito a pena ir a restaurantes.

Tanto que começamos a planejar as comemorações de junho – mês do aniversário da nossa filha…

13 Respostas to “Por que ir a restaurante? (parte II)”

  1. Ricardo Reno Says:

    Olá Comilão,

    Fiquei com água na boca, melhor substituir a numeração romana pois daqui a pouco ninguém vai saber em que visita você está, eu inclusive.

    Abraços

  2. alhos Says:

    Ricardo,
    os comentários sobre o Marcel acabaram.
    Por enquanto…
    Abraços!

  3. fernanda Says:

    Faça uma das comemorações da sua filha no sal e se der me avise que peço para fazer um balde de crisps de alho poró…bjs

  4. MDV Says:

    Olá amigo, gostaria de comentar só a seguinte passagem: “Durante a refeição toda, uma miríade de brotinhos de todo tipo passearam pelos pratos e os refrescaram, variando e combinando sabores”. Só pra dizer o seguinte. Vc escreve bem, muito bem, e isso não é pouco, grato, valeu, abs M

  5. alhos Says:

    Fernanda,
    obrigado… Agora é tarde: fomos aí ontem à noite. E estava bem gostoso.
    E não havia o balde de crisps, mas seu garçom, que conhece a Lia, arranjou um tanto para ela.
    Obrigadíssimo, beijos!

    MDV,
    obrigado!
    Abraços!
    ps. correção feita.

  6. fernanda Says:

    alhos, vc acha mesmo que foi o garçon?

  7. alhos Says:

    Fernanda,
    achava. Agora, não acho mais.
    E, da próxima vez, vamos todos de peruca cacheada.
    E minha filha, com perna de pau…
    Então, obrigado!
    Beijos!

  8. Renato Says:

    Alhos,

    Farei meu comentário nesse seu post antigo.
    O menu degustação do Marcel é espetacular; pude comprovar ontem. Parabéns pela indicação.
    Entrou pro meu rol de melhores restaurantes de minha vida. Frescor dos ingredientes, perfeição no preparo, sofisticação e inovação com técnicas “terranas”.
    Comi o melhor bacalhau de minha vida e experimentei o espetacular sorvete de roquefort, que fez perfeitamente a ponte entre o carré e a sobremesa. Todos os pratos estavam perfeitos.
    Abraço,
    Renato

  9. alhos Says:

    Renato,
    tudo bem?
    Obrigado: fico feliz que a indicação tenha dado certo.
    O menu degustação do Marcel é um dos pontos altos dos restaurantes de São Paulo e talvez a refeição de melhor relação custo/benefício da cidade. Já o comi diversas vezes, sempre com pratos diferentes e nível altíssimo. Se ainda considerarmos que o restaurante não cobra rolha, fica imbatível.
    Abraços!

  10. Renato Says:

    Alhos,

    Esqueci de mencionar o custo/benefício! R$98 por aquele menu é de graça mesmo. Nem sabia que não cobravam rolha. Uau!

    Abração,
    Renato

  11. alhos Says:

    Renato,
    da próxima vez, aproveite e leve seu vinho. Faço isso quase sempre.
    Abraços!

  12. Cassius Devazzio Says:

    Desculpe re-ressuscitar esse tópico, mas não podia deixar passar batido. Realmente o custo-benefício do Marcel é uma coisa simplesmente espetacular. R$ 98,00 por um menu otimamente montado, com ingredientes nobres e execução próxima à perfeição. E tem ainda a não cobrança de rolha (o que faz com que quase sempre que eu tenha algum vinho acima da média pronto na minha adega eu tenha vontade de bebê-lo lá). Devia servir de exemplo a todos os demais restaurantes (ou aos comensais que, com base nesse preço, deveriam boicotar aqueles mais caros que não oferecem o que ele oferece).

  13. alhos Says:

    Cassius,
    tudo bem?
    Estou inteiramente de acordo!
    Abraços!


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: