O gosto do Brasil

08/08/2009

 

Estamos em plena época de rótulos – não os das embalagens, nem aqueles que os companheiros dos anos 60 impunham a quem não os espelhava.

Rótulos para restaurantes. Uns assumem o que querem, outros recebem o que não querem.

E, de rótulo em rótulo, o comilão comum fica sem saber exatamente o que é um restaurante, digamos, “contemporâneo”. Ou é forçado a reunir, sob um mesmo título (só para não repetir a palavra “rótulo” – epa, repeti), casas muitíssimo diferentes.

Na prática, eles funcionam, e são inevitáveis, para organizar guias e para definir espaços no amplo e confuso universo gastronômico paulistano.

É o caso, me parece, dos restaurantes “brasileiros”.

Não, não se preocupe: não vou discutir, pela enésima vez, o conceito e os possíveis sentidos de brasilidade gastronômica.

Mas o termo se aplica a restaurantes tão diferentes que chega a incomodar. Vale para os regionais e vale para o D.O.M. (que também é chamado de contemporâneo). Vale para o Mocotó e para o Soteropolitano. Para o Sinhá e para Dalva & Dito.

De alguns destes gosto um pouco mais (nome aos bois? D.O.M e Sinhá, cada um, é claro, no seu estilo e com sua proposta); de outros, um pouco menos. Na verdade, não são comparáveis.

Só que quando penso em restaurante “brasileiro” são outros dois que me vêm à cabeça, comparáveis e excelentes. Tordesilhas e Brasil a gosto.

Do Tordesilhas, que conheço desde a abertura e que freqüentava com meus pais, já falei aqui no blog. Do Brasil a gosto, que me lembre, nunca.

E cada vez são melhores as refeições que faço lá. O trabalho de Ana Luiza Trajano, que sempre foi consistente, parece cada mais claro e… saboroso.

Há coisa de duas semanas, voltamos. Fácil de estacionar (na Barão de Capanema, antes de virar, e sem chegar aos agitados quarteirões seguintes), ruazinha agradável por onde caminhamos até a porta da casa – bonita e discretamente elegante.

Recusamos o couvert e ficamos com a seleção de petiscos da entrada: tapioca com siri mole, queijo coalho com melaço, canapé com banana e geléia de pimenta, pastel de pirarucu e croquete de carne seca. Tudo bom, especialmente o pastel (embora um pouco salgado demais). O croquete estava tão bom que pedimos, face à inflamada campanha de minha filha, uma porção só dele.

De principal, minha mulher escolheu a pescada cambucu com vatapá e mini-acarajés. De novo, o sal apareceu mais do que deveria, mas não chegou a comprometer o bom resultado e o sabor do peixe e dos acompanhamentos.

Preferi o pirarucu (na verdade, já sai de casa pensando nele) com purês de batata doce e de abóbora, calda de coco e gengibre, raspas largas de coco. Delicioso. Pirarucu assim só comi no Lá em casa, de Belém.

Conforme havíamos pedido, o prato de minha filha – divisão dos nossos – já veio montado e muito bem decorado. Serviço gentil e atencioso conta muito – sobretudo quando se vai a restaurante com criança. Ela não se fez de rogada e, no habitual estilo orca, devorou vigorosamente os peixes.

A sobremesa de minha filha foi o ótimo e crocante sorvete de coco queimado; a de minha mulher, a cocada líqüida com sorbet de limão (ótima idéia e sabor, um pouco doce demais); eu, a tortinha de chocolate com geléia de bacuri e calda de pitanga: excelente.

Tomamos águas e um EQ Chardonnay a preço justo (123). O café, não espresso, era dispensável. Conta: 400.

Restaurante brasileiro? Sim, se considerarmos os ingredientes e a disposição de integrar elementos de cozinhas regionais variadas. Principalmente se pensarmos que há, explicitamente, um esforço grande de pesquisar e de entender a miríade de referências que podem fazer parte da brasilidade – se ela de fato existir.

Taí, não resisto ao trocadilho: gosto do Brasil do Brasil a gosto.

Brasil a gosto

Rua Professor Azevedo Amaral, 50, Jardim Paulista, SP

Tel.  11  3086 3565

Como chegar lá (Guia 4 Cantos): Brasil a gosto

Anúncios

9 Respostas to “O gosto do Brasil”


  1. Concordo com você, Alho. Adoro o Brasil a Gosto (que além de tudo, é um restaurante lindíssimo!) e o Tordesilhas. Confesso que o Tordesilhas me emociona mais… Vamos ver se nos conhecemos quando eu for a Sampa! O anonimato vale só perante os chefs ou entre parceiros blogueiros também?!

  2. alhos Says:

    Constance,
    tudo bem?
    Vamos combinar, sim. Me avise.
    O Tordesilhas também me traz um monte de lembranças – principalmente de meu pai. E, salvo engano, da primeira vez que provei cupuaçu – e me apaixonei irreversivelmente.
    Hoje os dois restaurantes são ótimos e é muito difícil saber qual é melhor. Por isso, o melhor é ir aos dois…
    Beijos!

  3. Ricardo Oliveira Says:

    Comilão, também gosto bastante do Brasil a Gosto, é visível a evolução desse restaurante, fruto do trabalho e persistência da Chef onde essas virtudes se potencializam, tendo um gigante como o Tordesilhas como comparação.

    Parabéns a você, Ana Luiza Trajano.

  4. alhos Says:

    Ricardo,
    concordo plenamente.
    Até o ano passado, eu relutaria muito em equiparar o Brasil a gosto ao Tordesilhas.
    Hoje acho que faz sentido.
    Abraços!

  5. eduluz Says:

    Alhos, também gosto dos dois mais ainda acho o Brasil a Gosto um pouco mais, digamos, asséptico do que o Tordesilhas.
    Se bem que quando fui, a máquina de sorvetes de massa estava funcionando e a família inteira adorou!!
    Abs.

  6. Adrina Says:

    “no habitual estilo orca” foi bem engraçado… Só uma curiosidade: quantos anos ela tem?

  7. alhos Says:

    Edu,
    alegria, hoje, é ter os dois.
    Abraços!

    Adrina,
    minha filha tem dez anos e é louca por peixes.
    Mas a brincadeira tem também outro sentido: orcas são os animais favoritos dela. Há livros, filmes, documentários sobre orcas em profusão aqui em casa. Além de umas quinze orcas de pelúcia espalhadas pelo quarto dela.
    Abraços!

  8. paolanp27 Says:

    Olá Alhos

    Vou em breve visitar o Brasil a Gosto por sua causa, pq vc fala sempre… ehehehehe

    Ah! E eu adoro o Sinhá…. q maravilha…. e além de tudo é baratinho… rs

  9. alhos Says:

    Paola,
    tudo bem?
    Os preços do Sinhá são de fato ótimos – como a comida.
    O Brasil a gosto vale, sim, uma visita. Mas acho que você se confundiu: foi a primeira vez que falei dele aqui no blog.
    Vá rápido…
    Abraços!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: