SPRW: Antiquarius

03/09/2009

 

O Antiquarius é um dos restaurantes de clientela mais homogênea em São Paulo. Homogênea na faixa etária, na posição social, no estilo e até no vestuário. No almoço ou no jantar, o panorama se repete quase desde a fundação.

Por isso, o mais interessante da visita à casa nesta SPRW foi ver a incrível variação do público.

Enquanto esperávamos, ouvimos dois casais jovens conversarem sobre a formalidade do serviço. Temiam não saber como se comportar.

Numa mesa atrás de nós, quatro moças bebiam muito (muito!), falavam alto e uma delas, meio trôpega, chegou a quebrar uma taça. Uma hora ela se levantou, passou ao lado do garçom e sussurrou-lhe que gostaria de mais um pouco de vinho. Repreendida pela amiga, reagiu vigorosamente, ameaçando revelar como esta era “de verdade”.

À minha esquerda, três moços de camiseta, todos no início dos trinta, comiam os mesmos pratos e falavam de futebol, num ritmo de informalidade que contrastava com o ar sisudo do lugar.

À direita, quatro garotos – bandas de rock na camiseta larga e menos de vinte anos – discutiam e riam em meio a uma quantidade imensa de latas de Coca-Cola e Guaraná.

Minha mulher e eu almoçamos ouvindo vozes e notando personagens que, provavelmente, jamais cogitaram ir àquele restaurante e estavam aproveitando os preços baixos da RW.

No ambiente tradicional, soturno e carregado do Antiquarius, havia vida – porque vida é variação, é diferenciação. Pessoas de verdade, daquelas que encontramos na rua. Daquelas para quem uma visita a um restaurante famoso é evento para ser lembrado por muito tempo. Gente de todos os estilos, roupas e idades.

Entendemos, naquele instante, o significado de uma Restaurante Week. Descobrimos também como existe gente disposta a freqüentar restaurantes, bastando, para isso, que os preços sejam acessíveis.

Este, o lado feliz de nosso almoço no Antiquarius.

Nota ao leitor

Havia duas possibilidades para comentar nossa visita: mostrar o lado feliz por meio de uma perspectiva, digamos, etnográfica ou falar da refeição em si. Preferi a primeira.

Se tivesse optado pela segunda, reclamaria de algumas coisas:

– da rispidez da encarregada da reserva;

– do desrespeito à reserva (reserva-se para chegar e sentar, não para ter direito “à próxima mesa de dois que liberar” – o que aconteceria em 25 minutos);

– da estapafúrdia sugestão (que está sendo colocada em prática) de reunir grupos diferentes numa mesma mesa para “agilizar a espera” (fiquei pensando se proporiam isto à clientela regular da casa);

– da temperatura (bem fria) e da consistência (puxa-puxa) da tigelinha de bacalhau da entrada;

– do arroz quase empapado com cordeiro cozido muito além do ponto do “arroz de cordeiro”;

– da batata-palha amolecida do “bacalhau Antiquarius”, do bacalhau seco, rijo e aparentemente bem distinto do que é normalmente servido na casa;

– da taça grosseira de vidro em que serviram meu vinho (minha mulher ficou lisonjeada por receber uma de cristal);

– do garçom destacar que a taça de vinho era “dez real” (sic);

– da taça de vinho servida não ultrapassar 100 ml;

– do café mal tirado, com borda queimada;

– da ausência de açúcar para o café (ok, minha mulher e eu não adoçamos o café, mas como eles sabiam disso?);

– dos muitos cacos de vidro que ficaram no chão (lembram-se que a moça quebrou a taça?), sobre os quais a cliente da mesa ao lado teve que passar, com cuidado;

– de alguns cacos de vidro, nada pequenos, que continuaram no chão depois que o maître determinou a limpeza do lugar.

Para evitar ter que falar de tudo isso, preferi falar do público.


Antiquarius

Alameda Lorena, 1884, Jardim Paulista, SP

Tel.  11  3082 3015

Como chegar lá (Guia 4 Cantos): Antiquarius


Anúncios

34 Respostas to “SPRW: Antiquarius”

  1. Ailin Aleixo Says:

    É inadmissível qq restaurante que aceite participar deste festival diminua o nível da comida e do serviço. Inadmissível. Não quer clientela mais heterogênea que pague uma grana razoavelmente curta pelos pratos? Então não participe.

  2. manuela Says:

    0 antiquarius não é decadente, sempre foi isso, é a critica que melhorou

  3. doidivana Says:

    Acabo de tirar o Antiquarius da minha lista. Obrigada.

  4. eduluz Says:

    Então, tudo normal !
    Continuo como um jacaré e pensando bem,acho que não vou nem no Marcel !
    RW? Blargh!! O pior custoxbenefício do mundo !! rs
    Abs

  5. alhos Says:

    Ailin,
    tudo bem?
    Acho que alguns restaurantes ainda precisam compreender que o espírito de uma RW é abaixar os preços e revelar a comidada casa; não banalizá-la.
    Que a margem de lucro seja menor e o ganho ocorra no prestígio, na divulgação e na aquisição de mais clientes.
    Abraços!

    Manuela,
    o Antiquarius tem aquele estilo desde sempre. Concordo e não gosto.
    Mas qualidade de ingrediente e um mínimo de cuidado no preparo são básicos.
    Abraços!

    Ivana,
    não tire, não. Vá e confira. É uma boa experiência antropológica.
    Abraços!

    Edu,
    o Marcel é outra história. Muito diferente desta. Vá, sim.
    Abraços!

  6. Guta Cunha Says:

    Fiquei impressionada com o Antiquarius…Tudo bem que é complicado atender uma demanda gerada por um evento como o RW, mas poxa…não entrava! Para ser meia boca desse jeito (bemmm meia boca), nem os 30 reais valem! Como o Edu, tb risquei ele da lista (tb pq na 1h que tentei fazer reserva, o telefone so dava ocupado!rsrs.
    Ainda bem que tem mais 200 p/ testar! =)
    Abs!

  7. Monica Says:

    Qual realmente vale a visita? Fui ao Marcel em maio e as porções estavam reduzidíssimas e inexpressivas, bem diferentes do habitual. Em edição anterior, na antiga Casa Europa, a porção de peixe parecia uma garfada, inacreditável. Hoje,no Lolla Bistrô, o prato principal estava bom, embora a sobremesa decepcionasse. Já no AK, visitado tb na edição passada, os pratos estavam saborosos e as poções eram legais. O mesmo aconteceu no Ferrara. Este último, aliás, tem um bom atendimento, mesmo na rw. Mas acredito que não vale a pena ir a lugares pretensiosos como o Antiquarius.

  8. jb Says:

    crítica inteligente e espirituosa.

    parabéns!

  9. eduluz Says:

    Alhos, vou ao ( e só) Marcel!
    Abs

  10. alhos Says:

    Guta,
    pois é, achei que o Jacquin não tinha nada a ver com o Jacquin, mas valia os 30.
    O Antiquarius de fato não vale.
    Conte depois sobre os que testou.
    Abraços!

    Monica,
    é difícil dizer porque acho que fiz opções erradas desta vez.
    Não fui, mas já vi/ouvi comentários positivos sobre a RW nos seguintes restaurantes: Ají, Tarsila, AK, Santa Gula e Marcel.
    Se for, depois conte.
    Abraços!

    Julinho,
    obrigado.
    Abraços!

    Edu,
    concordo cada vez mais com você…
    Ainda tenho três – e acredito mais neles.
    Aguardemos.
    Abraços!

  11. Mario Netto Says:

    Alhos

    Não consigo entender.Será que é tão difícil enxergar do ponto de vista do “negócio restauração” que ao agir desta forma eles vão perder muito mais, do que servindo com qualidade??? Cada “weekeiro” descontente fará propaganda negativa para menos 15 pessoas ( segundo as pesquisas mercadológicas).É muita burrice……

  12. Ju Tedesco Says:

    Alhos, muito bom o texto, e eu acho que é isso mesmo: em SP tá cheio de gente que quer conhecer os bons restaurantes, mas não pode por causa dos preços. Penso que a RW tenta dar essa “chance”, mas não funciona quando os restaurantes participantes não entendem (ou fingem que não entendem).Não precisava participar, né?!
    Bjs!

  13. alhos Says:

    Mario,
    tudo bem?
    Também tenho dificuldade de entender.
    Resisto a achar que se trate de clássico imediatismo empresarial brasileiro, embora pareça exatamente isto.
    Abraços!

    Juliana,
    obrigado pelo comentário.
    Seria muitíssimo melhor que só entrassem no evento as casas que o levassem a sério. E que houvesse (não sei como) um controle mais rígido, por parte dos organizadores, para que as casas atendessem os clientes da RW da mesma forma que atendem os clientes habituais.
    Abraços!

  14. Mario Netto Says:

    Para melhorar o astral do post,lembro que ontem almocei majestosamente na simplicidade do Tenda do Nilo.Para o “amuse bouche” kibes fritos na hora e esfihas com a massa mais delicada e macia que tenho notícia.Pratos de resistência : Fatte acompanhado de trigo com costela desfiada, simplesmente sensacionais, de comer de joelhos.Fechamos com O Mil e uma noites.Conta de R$ 150,00 para três pessoas.Prova cabal de que quase que invariavelmente, o menos é mais !!!

  15. alhos Says:

    Mario,
    tudo bem?
    A Tenda do NIlo é sempre ótima. Sempre.
    Abraços!

  16. Fabio Arthur Says:

    Todos os problemas apontados pelo blog são realmente absurdos, mas o pior deles foram os cacos de vidro deixados no chão. Se eu me ferisse com os cacos, certamente processaria o restaurante. Pra que participar de um evento se não pode manter o padrão de qualidade? Parece piada sobre português…

  17. alhos Says:

    Fabio,
    tudo bem?
    É incrível, não é?
    Ouvimos o ruído da moça pisando e tememos pelo que podia acontecer. Daí veio a limpeza, mas não tiramos os olhos dos cacos que restaram até a hora de ir embora.
    Abraços!

  18. Monica Says:

    Obrigada pelas dicas. Fui também ao Espaço Tambuí. É ótimo e estranhamente vazio, talvez por que fique atrás de uma loja de decoração. Eles serviram uma feijoada de peixe com costelinha de tambaqui – excelente, como também a farofa de banana que acompanhava prato. Mas a entrada foi mal formulada, torresminhos de peixe, os mesmos que aparecem depois na feijoada. Já a sobremesa era uma deliciosa goiabada c/ sorvete.

    Alguém foi jantar no La Marie durante a RW? Vale a pena?

  19. alhos Says:

    Monica,
    obrigado pela dica. Não conheço o Espaço Tambuí. Vou atrás.
    Minhas lembranças do Marie não são boas… (não na RW)
    Abraços!

  20. nelson Says:

    Esse restaurante sempre foi uma farsa aceita e incensada pela crítica.

  21. Nina Says:

    Nossa, tive outra impressão da casa. Fui bem servida e olha que estava sozinha e não consumi vinho. Que pena, né?

    abs

  22. alhos Says:

    Nelson,
    tudo bem?
    Nunca fiz uma boa refeição no Antiquarius (nem no daqui, nem no do Rio – que acho um pouco melhor). Nunca. Para mim, sempre foi um restaurante mediano, com péssima relação custo-benefício.
    Mas também nunca houve algo que se equiparasse ao que foi nosso almoço lá durante a RW.
    Abraços!

    Nina,
    obrigado por seu comentário.
    Li o texto no seu blog e fiquei absolutamente surpreso.
    Foi uma tragédia para nós, uma vergonha.
    O vinho que tomei foi a taça oferecida para acompanhar o menu da semana: Uxmal CS 07, a dez reais. Se fosse uma taça normal, seria um preço justo. Mas os 100 ml servidos também reforçaram a imagem de busca de lucro fácil. A garrafa sai, na importadora e para pessoas físicas, a menos de 22 reais. Evidentemente, a casa não paga esse valor. Se pagasse, estaria obtendo mais de 300% de lucro na promoção.
    O pior, no entanto, foi a qualidade da comida.
    Fico feliz que para você tenha dado certo. Mostra que houve uma dose de azar meu – e não apenas a desconsideração da casa com o evento, como me havia parecido.
    Abraços!

  23. Monica Says:

    É bom saber sobre o Le Marie. Outro que me pareceu muito bom foi o Le Bouteque.
    Apesar de algumas decepções, a RW cria um clima muito interessante na cidade – efervescente, interativo. Todo mundo degustando e comentando os pratos. Parece a semana da Mostra.

  24. alhos Says:

    Monica,
    bom saber que Le Buteque entrou no espírito da coisa. Tomara esteja se aprumando.
    É verdade: esse agito é bacana e mostra que tem muita gente disposta a freqüentar bons restaurantes.
    Abraços!

  25. joão(portugal) Says:

    QUERO AGRADECER TODAS AS VOSSAS OPINIÕES SOBRE O ANTIQUARIUS,ASSIM NÃO VOU LÁ GASTAR DINHEIRO NEM TEMPO.VOU PARA A SEMANA AO BRASIL E TINHA UM POUCO DE CURIOSIDADE,POIS É UM RESTAURANTE MUITO FALADO,MAS AFINAL É DECEPSIONANTE PARA O PRETIGIO QUE TEM.ESTIVE A LER O CARDÁPIO E FIQUEI SURPREENDIDO COM OS NOMES QUE AI DÃO A CERTOS PRATOS PORTUGUESES MAS QUE CÁ NÃO TÊM ESSE NOME E CERTAMENTE NÃO TÊM O MESMO SABOR(DESCONFIO QUE OS DONOS NÃO VENHAM A PORTUGAL Á MUITO TEMPO E NÃO VÃO AOS SITIOS CERTOS PARA MELHORAR.).TODOS OS BRASILEIROS QUE CÁ VÊM CONFIRMAM A DIFERENÇA, E A PREÇOS MUITO MAIS BARATOS.POR EX:ARROZ DE PATO BEM SERVIDO MÁX.8 EUROS.OBRIGADO PELA INFORMAÇÃO

  26. alhos Says:

    João,
    obrigado por seu comentário.

    Mas veja: comentei uma visita ao Antiquarius em meio a São Paulo Restaurant Week. Nunca tive boas experiências lá, mas o atendimento e o preparo dos pratos em circunstâncias normais é mais cuidadoso.

    Os preços dos restaurantes de São Paulo são de fato altíssimos. Você terá desagradável surpresa. Conseguirá, no entanto, comer bastante bem em alguns lugares. Boa viagem.

    Abraços!

  27. pedro de souza Says:

    Não conhecia esse tipo de promoção(será isso a tal ‘restaurant week’?).Aqui no Rio várias casas estão sempre com ‘promoçoes’,devido às crises constantes da classe média.Mas aqui os turistas acabam pagando o ‘pato’,ou seja,os caríssimos restaurantes da orla. Mas acho que só se deve ir onde se pode.No caso do Antiquarius aí, bebedeiras e gente jovem de camiseta estão fora de lugar.Por isso acho que esta RW( q nome bobo,hein)não leva a lugar nenhum.Lé com lé,cré com cré,rs,rs…

    P.S. o Antiquarius daqui é sempre fantástico, mas parece que o original lá Elvas era insuperável(segundo um antigo Michelin)
    P.S.2: O Joaõ tem razão,os cardápios(ementas)no Brasil têm nomes diferentes e, muitas das
    vezes,receitas que nem se fazem mais em Portugal.

  28. alhos Says:

    Pedro,
    obrigado por seu comentário.

    Sim, o evento era a São Paulo Restaurant Week. Durante duas semanas, os restaurantes oferecem um menu especial a preço reduzido. Infelizmente nunca experimentei a do Rio. Já aproveitei muito a de Nova York. A de São Paulo tem altos e baixos, como você pode ver nos vários textos que publiquei aqui. Há casas que aproveitam para mostrar seu trabalho e diversificar sua clientela e outras que apenas desejam ampliar o número de clientes por um período, sem oferecer o que tem de melhor.

    Quanto ao perfil dos restaurantes portugueses daqui, o texto de Luiz Américo Camargo, um de nossos melhores críticos gastronômicos, é eloqüente:
    http://blog.estadao.com.br/blog/luizamerico/?title=quem_sera_o_nao_antiquarius&more=1&c=1&tb=1&pb=1

    Acho o Antiquarius do Rio melhor do que o de São Paulo: pelo menos o atendimento é bem melhor e o espaço, mais agradável. Mas, a bem da verdade, não colocaria nenhum dos dois na lista de meus cinqüenta restaurantes favoritos.

    Abraços!

  29. joão(portugal) Says:

    OI A TODOS,

    HOJE COMI EM CASCAIS UMA FEIJOADA Á BRASILEIRA COM DIREITO A TUDO”BEM CAPRICHADA”, FEITA OBVIAMENTE POR UMA SENHORA
    BRASILEIRA, COM ISTO QUERO DIZER QUE TUDO O QUE É FEITO COM CARINHO SAI SEMPRE MELHOR,E NÓS PORTUGUESES GOSTAMOS DE SABOR,SENTIR O PALADAR DOS INGREDIENTES,EM RELAÇÃO Á COMIDA SOMOS EXIGENTES,FAZEMOS SEMPRE COMO SE FOSSE A ÚLTIMA REFEIÇÃO,TAMBÉM É MUITO IMPORTANTE A QUALIDADE DOS INGREDIENTES,ISTO É ESSENCIAL.NÃO SEI SE SABEM MAS QUASE 100% DOS PRATOS PORTUGUESES SÃO FEITOS OU É COLOCADO AZEITE VIRGEM,VOCÉS CHAMAM AZEITE DE OLIVA, CÁ TODO O AZEITE É MUITO BARATO E SABEM QUE DÁ OUTRO SABOR.JÁ FUI VÁRIAS VEZES AO BRASIL,PAÍS QUE AMO TANTO COMO O MEU,SEMPRE TRATADO COM MUITO CARINHO E TENHO TIDO VÁRIAS EXPERIÊNCIAS, NA MINHA SINCERA OPINIÃO É QUE NO GERAL AS PESSOAS AI NÃO DÃO VALOR Á REFEIÇÃO EM SI,OU SEJA FUI COMER A CASAS DE PESSOAS,O PAI ESTÁ COMIGO SENTADO,A MÃE AO FOGÃO SEM PARAR SOSSEGADA,A FILHA COME NO QUARTO,O FILHO NO SOFÁ A VER TELEVISÃO,CADA UM COME ONDE E QUANDO QUER,OU SEJA O CONCEITO DE REFEIÇAO FAMILIAR NÃO EXISTE POR ISSO A COMIDA EM SI TAMBÉM NÃO TEM GRANDE VALOR, E ISTO CÁ É ENSINADO DE CRIANÇA,MAS JÁ SE ESTÁ SE PERDENDO O HÁBITO.ESPERO QUE NÃO LEVEM A MAL A MINHA OPINIÃO. ABRAÇO

  30. alhos Says:

    João,
    tudo bem?
    Comi poucas feijoadas que de fato me agradaram. É mais complicado do que se supõe e poucas casas sabem de fato prepará-la e servi-la.
    Concordo quanto à importância dos hábitos de alimentação e de uma certa ritualização das refeições. Não sei se existe um padrão nacional – positivo ou negativo – por aqui. Na minha casa e nas dos amigos mais próximos, gostamos de aproveitar o encontro e, claro, a comida.
    Compreendo, porém, que o frenesi do quotidiano banalize muitas refeições. São os custos do ritmo moderno, presentes em qualquer parte do ocidente.
    Abraços!

  31. pedro de souza Says:

    Caro Alhos,

    O nosso João percebeu a baderna reinante nas famílias brasileiras,profundamente mal
    influenciadas pelos hábitos norte-americanos, via tv e imprensa.Europeus são, apesar de tudo, bem conservadores. O que eu quis dizer é,que talvez,este tipo de campanha
    não dê bons resultados. No Rio, cidade de alguns máus hábitos, a informalidade muitas vezes é confundida com ‘qq nota’. Antiquarius
    ou outro restaurante deste tipo, não deve ser frequentado por gente de bermudas ou do tipo que ‘fala alto’… Grana pra pagar é uma coisa, comportamento condizente é outra. Morei em SP nos anos 80 e da última vez que fui – nem há 2 meses-, deparei com gente de bermuda e havaianas no Metrô… Jamais havia visto coisa semelhante em minha época de SP. Enfim, as novelas cariocas levam boas e más influências. Das últimas vezes, vi que estão na moda vários botequins de estilo meio luso-cariocas aí em Sp. Empadinhas gostosas,chope,
    bolinhos de bacalháu,etc… Mas devidamente
    escolhidas pela exigência paulistana. Aqui no Rio há ótimos portugas menos sofisticados,
    mas nem tão baratos, onde pode-se comer bem:
    “Alfaia’,em Copacabana, é um eles, o Albamar é outro,e há ainda alguns tipo conteporêneos.
    Quenm quiser um bom italiano, recomendo o ‘La
    Trattoria’, junto da Av. Atlãntica,do milanês
    Mário e família, com massas excelentes,quase dignas da tradição paulistana, rs,rs…E a propósito,um dos raros lugares em que se pode saborear uma mousse de chocolate amargo
    é nas filiais do paulistano Viena, e, alguns
    shoppin’ centers daqui.E parabéns pelo blog.

  32. alhos Says:

    Pedro,
    tudo bem?
    Acho difícil generalizar. Como escrevi na resposta ao João, imagino que exista esse padrão de comportamento nas refeições e o compreendo, mas nunca o vi: ele não faz parte do quotidiano das pessoas com que tenho convivência mais próxima.
    A princípio, também não me incomoda que as pessoas se vistam informalmente. Num ambiente como o do Antiquarius, achei até bacana ver a diversidade de estilos. Mas como regra geral, um “dress code” pode ajudar.
    E obrigado pelas dicas do Rio. Infelizmente faz tempo que não vou aí, mas pretendo ir em breve.
    Abraços!

  33. chris Says:

    Pode-se comer bem comidas que realmente custam pouco. Não vale a pena ir a um lugar desses. Depois de comer mal e ser mal atendido, pelo mesmo preço que se poderia comer bem e ser bem atendido em um lugar mais modesto, o restaurante certamente não conquistará mais clientes e o freguês que tenha um mínimo de vergonha na cara ainda sai se sentindo humilhado. Não vi sentido em nada, pelo que li do evento e agora estou advertida a nunca participar de um desses. Qual era mesmo a finalidade da coisa toda? Explicar aos pobres que “cada macaco deve ficar no seu galho”? Se era isso, conseguiram.

  34. alhos Says:

    Chris,
    tudo bem?
    Segundo informações recentemente veiculadas pela imprensa, este restaurante perdeu o direito de utilizar o nome que usava (e que pertenceria à casa homônima do Rio) e encerrará suas atividades até o final do ano.
    A Restaurant Week me parece uma iniciativa excelente. Pena que poucos a tratem com o devido cuidado.
    Abraços!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: