Sobre chefs e pianistas

04/10/2009

Na coluna Sinopse do Estado de hoje, Daniel Piza conta uma história instrutiva:

“Consta que o pianista Wilhelm Kempff foi visitar Sibelius nos últimos anos de vida deste, que lhe pediu para tocar a sonata Hammerklavier, de Beethoven. Kempff tocou. Ao final dos quatro movimentos, Sibelius agradeceu: ‘Você não tocou como um pianista, tocou como um ser humano.’” (Daniel Piza, Contrapontos, OESP, 4.10.2009).

Música e gastronomia são mundos diferentes, claro, e a associação é perigosa. Inevitável, porém, fazer a analogia.

Pois, quando vou a um restaurante, cada vez mais quero cozinheiros que cozinhem como seres humanos – e não como técnicos, cientistas ou artistas.


Anúncios

15 Respostas to “Sobre chefs e pianistas”

  1. Maria Says:

    Compartilho a sensibilidade e a busca. Esses dias, saindo do circuito Jardins, conheci o Acrópoles (no Bom Retiro) e vibrei ao conhecer um proprietário apaixonado, cozinheiros com nenhuma pretensão artística e uma comida digna de suspiros e aplausos.

  2. alhos Says:

    Maria,
    tudo bem?
    Obrigado pelo comentário.
    Gosto do Acrópoles e achei justíssima a homenagem que a Veja SP fez ao “seu Trasso” na premiação deste ano. Foi o momento mais bonito da festa, inclusive.
    Há uma filial da casa aqui nos Jardins, mas não tem o charme da matriz.
    Abraços!

  3. Mario Netto Says:

    Então nunca vá oa D.O.M…….

  4. alhos Says:

    Mario,
    tudo bem?
    Já fui e volto sempre que meu orçamento permite.
    Porque acho que Atala é, em primeiro lugar e independentemente do resto, um tremendo cozinheiro.
    Abraços!

  5. eduluz Says:

    Alhos, depende do objetivo. Se a pessoa conseguir uma reserva pro El Bulli, a última coisa que gostaria de encontrar por lá seria um cozinheiro!! rsrs
    É claro que eu entendi o que você quis dizer. E também acho que o pior são os que se acham tremendos cozinheiros e na verdade, são péssimos químicos !!rs
    Muito boa a discussão.
    Quanto ao Atala; deixem o homem trabalhar !!
    Abs.

  6. alhos Says:

    Edu,
    tudo bem?
    Quem vai a El Bulli está atrás de uma experiência lúdica mais do que de comida – acho.
    Há muitos “péssimos químicos” por aí e outros que até são bons, mas se repetem demais, e daí a comida perde a graça.
    Abraços!

  7. oavestruz Says:

    alhos,

    excelente post.
    a cozinha que fala tanto ao estômago quanto ao coração vem de mãos e mentes humanas. é alimento para o corpo e para a alma!
    grande abraço d’
    o avestruz

  8. kaki Says:

    Alhos,
    retomando o apaixonante assunto Atala…sempre soube que o verdadeiro merito se comprova nas coisas(neste caso ns pratos ) mais simples e basicos.
    Se ele é assim tãããão bom, por que se esmera tanto em malabarismos mil,inventando composiçÕes inusitadas e de dificil compreensão?
    E aproveitando , aonde fica o Acropoloes dos Jardins?
    Um grande abraço

  9. alhos Says:

    Obrigado, avestruz!
    É isso mesmo.
    Abraços!

    Kaki,
    tudo bem?
    O Acrópoles-Jardins fica na Haddock Lobo, um pouco abaixo da Alameda Jaú.
    Acho que não. Creio que pode haver mérito em muitos preparos diferentes. E ninguém prepararia os pratos mais elaborados que o DOM serve sem dominar o básico.
    Aliás, e ainda que não seja uma das minhas opções preferidas lá, o menu de almoço (arroz, feijão & cia.) do DOM é muito bom. Experimente.
    Abraços!

  10. Gourmet Blasé Says:

    Alhos,
    Na sua argumentação, entendi que o “artista” está numa conotação pejorativa, talvez se referindo aos chefs que se acham estrelas, “reis da cocada preta”. É isso mesmo?
    Acho que alguém pode cozinhar de forma bem humana, mas com muita paixão e nos brindar com obras de arte comestíveis. Eu consideraria esse tipo de chef um artista. Bocuse, Escoffier, Alain Ducasse seriam nossos Mozart e Beethoven? Eles cozinham ou cozinhavam como apenas seres humanos? Seriam apaixonados? Artistas?
    OBS: Inevitável, porém, é não viajar na maionese quando filosofamos :p
    Abs!

  11. alhos Says:

    Gourmet,
    tudo bem?
    Não usei de forma pejorativa, não.
    Reclamei da ostentação e do ensimesmamento. Daqueles que se fecham numa lógica que deixa os clientes em segundo plano em nome da técnica ou da arte.
    Abraços!

  12. Joyce Says:

    Adorei o post… pois acredito que a sua colocação vai além do que alguns comentários publicaram aqui.

    Nesse último, no qual vc diz: “Daqueles que se fecham numa lógica que deixa os clientes em segundo plano em nome da técnica ou da arte.”, sim, eles existem… afinal, no momento em que existe a preparação de um prato mais “tecnológico” muitas vezes a conecção prato-cliente fica escassa, ou seja, comi e não entendi! Mas acredito que a maior busca da cozinha “moderna” atual é uma maior intimidade entre cozinheiro e cliente, existindo uma necessidade do tocar emocionalmente.

    Obviamente a cozinha não deve fugir apenas para o cunho científico, mas não acredito que mesmo que ela se utilize desse conhecimento ela perca a alma. Afinal, cozinheiros sempre serão cozinheiros, visto Pierre Gagnaire, que nem sempre se utiliza de tudo que H. This lhe sugere, afinal, sempre existirá o toque pessoal. Não?

  13. alhos Says:

    Joyce,
    tudo bem?
    É isso. É preciso buscar um equilíbrio, que muitas vezes é sacrificado em nome de pesquisas e de técnicas: a mandioca à vácuo que perde a crocância, para usarmos um exemplo conhecido e polêmico.
    O comentário foi inspirado (acho que é claro) pela leitura do Santi Santamaria. Mas não creio que haja oposição definitiva entre as duas propostas em jogo. Há um contraste ideológico e de atitude. Mas o mundo da cozinha não pode se converter num Fla-Flu infinito e estéril.
    Para comensais, chefs e cozinheiros importa conseguir conciliar o empenho e a consistência do trato cotidiano com a possibilidade de inovação.
    Abraços!

  14. Luiz Guilherme Says:

    Olá. tenho um blog sobre restaurantes também. quero dizer que gostei muito do seu. Parabéns. Tá linkado! Quando der, dê um pulo para conhecer o meu. Valeu.

    http://bomebarato.wordpress.com

  15. alhos Says:

    Luiz,
    obrigado pelo link.
    Vou passar por lá, sim.
    Abraços!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: