Crenças, descrenças & cannoli

19/03/2010


Não acredito em identidade — de nascença, muito menos. Nem que meia dúzia de símbolos, nomes e lugares possam explicar o que sou.

O lugar em que nascemos é fortuito; não pode nos ancorar vida afora. Verdade que uns pensadores autoritários, lá pela metade do século XIX ou do XX, tentaram dizer que nossa origem, social ou nacional, condicionava nossas opções.

Acredito em passado; acredito na imensa teia de fios de toda cor, textura e calibre que forma o que vivemos. Acredito em relações e em experiência individual e coletiva. Cruzadas, combinadas.

Quando nasci, meus pais moravam em plena Avenida Paulista. Nas imediações da Paulista vivi 45 anos e meio. E meio ano em Milão, perto da Paolo Sarpi e da Via Dante. Metrópoles de cimento, concreto e ruas asfaltadas.

Meu mundo sempre foi da porta de casa para dentro: sem quintal, rua de terra ou pé descalço. Provavelmente por isso estranho a mitificação rousseauísta de um mundo natural que perdemos; nunca o tive, tampouco o quis: gosto de pé calçado.

Soube do saci pelos livros, e ele veio junto com lobisomens russos, lobos de florestas francesas e bandoleiros ingleses. Não sinto que ele me pertença mais do que Peter Pan; não me sinto pertencente a seu mundo.

Pelos livros também descobri que é possível inventar tradições e identidades. Para o bem e para o mal. Para ganhar segurança e justificativa, para se isolar do outro e confrontá-lo. Identidade para afrontar quem não é idêntico.

Porque a identidade, já disse Borges, ou é natural — e nesse caso não faz sentido discuti-la, resta-nos assumi-la e proliferá-la — ou é mera afetação, uma máscara.

No labirinto complexo do meu passado, já fui até holandês e polonês, lá pelos idos da Copa de 74. Durante muito tempo fui francês — parisiense, mais especificamente.

Até brasileiro já fui, embora sem pontear viola. Aprendera, afinal, nos bares da vida e tal qual Drummond, que o nacionalismo era uma virtude. Quando o bar fechou, e ele sempre fecha, fui embora.

No final dos anos 70 virei argentino e dificilmente deixarei um dia de ser. Nos anos 90, italiano, sobretudo siciliano.

É que meu mundo continua a ser da porta para dentro, e quase sempre literário. Sou judeu novaiorquino a cada livro de Philip Roth e pernambucano-sevilhano quando leio João Cabral. Polonês (de novo!) e britânico, como Conrad; norte-americano, vizinho de porta de Louise Glück.

Por que seria diferente na comida e na bebida?

Dificilmente tolero cachaça, cujo aroma excessivo e gosto adocicado quase sempre me afastam: tenho dificuldade de entendê-los. Tomo menos whisky do que devia, mas adoro o sabor. Não sou muito fã de cerveja, mas não dispenso uma Guinness; por isso, celebro o St. Patrick’s Day, e não o Dia de Nossa Senhora Aparecida.

A bem da verdade, tomo quase só vinho e me sinto um tantinho espanhol a cada taça diária de jerez. Renovo regularmente minha máscara borgonhesa e vez ou outra até coloco uma outra, que permite trocar umas palavrinhas na língua do Oc. Siciliano convicto, não resisto a rótulos que mencionam negroamaro ou nero d’avola.

Não, não quero ser uma coisa só. Quero aceitar que meu passado é confuso, misturado, cheio de contaminações. Quero, como Borges, reivindicar qualquer pertença e trocar toda hora de identidade.

Quero lembrar, para encerrar esse longo texto que parece devaneio, que a idéia de nacionalidade foi inventada há menos de dois séculos. Não faz sentido colocá-la à frente de todo o resto.

Quero, toda quarta e sábado, no lugar da feijoada, comer pasta alla Norma, seguida de cannoli e uma tacinha de Passito di Panteleria. E, se a ricota for italiana, pode ser todo dia.


Anúncios

31 Respostas to “Crenças, descrenças & cannoli”


  1. Quando ouço falar em “identidade” lembro das filas infinitas do poupa-tempo e dos argumentos preguiçosos dos poupa-cérebro…

  2. alhos Says:

    Carlos,
    e o problema é que o papel é muito pequeno para colocar lá todas as identidades simultâneas que gosto de ter.
    Sobre a facilidade do argumento “identidade”, há um texto excelente e direto do Luiz Marques, da Unicamp, publicado há alguns anos na Bravo. Se quiser, lhe passo.
    Abraços!

  3. fernanda Says:

    Alhos, lindo e libertador!

    abs
    Fernanda


  4. Quero sim o texto do Luiz!


  5. Madrugada boa é a que gera textos educativos para serem lidos às 10 da manhã. Me manda esse texto do Luiz Marques, por favor?
    Um abraço.


  6. Não há nada mais rico que possuir várias identidades, ainda mais no mundo de hoje refém da intolerância (seja religiosa, cultural, etc.). E acho ótimo quem vai contra (sem que seja este o motivo principal, apenas ser contra)os clichês e as ‘ditaduras’, seja na comida ou na bebida, ou em qualquer outro aspecto/gosto da vida. Simplesmente adorei este post. Um abraço,

  7. alhos Says:

    Fernanda,
    obrigado!
    Beijos!

    Dória & Joana,
    texto enviado.
    Abraços!

    Luciana,
    obrigado!
    Já houve quem falasse numa “carteira de identidade terrestre”, em que coubessem todas as pertenças e elas fossem móveis.
    Quem dera.
    Abraços!

  8. Ju Tedesco Says:

    Alhos,
    Post lindo!
    bjs

  9. fernanda Says:

    Fiquei curiosa a respeito desse texto.
    Teria como coloca-lo na internet com acesso a todos?
    Abs,

  10. Fernando Says:

    Que P… texto, seu alhos. Parabéns.

  11. alhos Says:

    Ju,
    obrigado!
    Beijos!

    Fernanda,
    tudo bem?
    Acho que não.
    Eu o tenho num cd da revista.
    Abraços!

    Fernando,
    obrigado!
    Abraços!


  12. Alhos,
    Gostaria de comentar com tamanha desenvoltura, não estou apto.
    Logo, parabéns belo texto.
    Abraços
    Dalmo

  13. alhos Says:

    Dalmo,
    obrigado.
    Mas texto é exercício. Você faria, sim.
    Abraços!

  14. kaki Says:

    Alhos,
    belíssimo devaneio!
    Coincidentemente na ultima quarta feira aconteceu mais um jantar da Accademia Italiana della Cucina, realizado na Vinheria Percussi e desta vez tendo como convidada a chef Siciliana Fabrizia Lanza, atual titular da Scuola di Cucina Anna Tasca Lanza.
    Do menu constavam dentre outros,uma esplendida Pasta alla Norma, Cannolis Sicilianos de comer de joelhos acompanhados de uma inusitada geleia de café e muitas taças de Passito.
    Ah! e a ricota naturalmente era sim Italiana, pousou por aqui na bagagem da chef.
    Começo a acreditar que você esteve lá…..

  15. alhos Says:

    Kaki,
    obrigado!
    Você acertou em parte: pensava exatamente nesse jantar quando amarrei o texto falando de cannoli, mas ainda não tinha ido. Estava na (grande) expectativa.
    Fui ontem à noite e, ao contrário de sua experiência, não tive muita sorte. Fui bem mal servido em todos os sentidos. Uma pena.
    Abraços!

  16. manuela Says:

    Alhos,
    Tua identidade é paulistano, e mais que isso, um tipico uspiano ( acima da media, menos prolixo, atè parece que morou nos EUA e não na Itália).

  17. alhos Says:

    Manuela,
    mais ou menos isso. Mas mais para menos do que para mais.
    Na verdade, não sei se foi uma constatação, um elogio ou uma crítica devastadora. rs
    Abraços!

  18. Carola Says:

    Parabens pelo texto, muito gostoso de ler!
    well done, bien fait, bien hecho, bene fatto!

  19. Luiz Says:

    Estava eu aqui a beber meu El Principal 2001 ouvindo a Radio Jazz International, quando ao acessar seu blog como de costume deparo-me com esse belíssimo texto.
    Agora estou aqui, interpretando-o e me identificando em algumas situações vividas !

    Abraço !

  20. alhos Says:

    Carola & Luiz,
    obrigado!
    Abraços!

  21. Mariângela Says:

    Acompanho seu blog em silêncio mas diante deste texto é impossível não falar nada,tão tocante e lindo que é.Fiquei emocionada,de verdade.Abraço e parabéns por tanta inspiração.

  22. alhos Says:

    Muito obrigado, Mariângela!
    Comente sempre que quiser.
    Abraços!

  23. Dadivosa Says:

    Sr. Alhos,
    Seu lindo texto me fez sorrir e concordar com a cabeça várias vezes. Que suas identidades todas possam vir sempre conversar com a gente.
    Um abraço

  24. alhos Says:

    Obrigado, Dadivosa.
    Conversemos, sempre.
    Abraços!

  25. o avestruz Says:

    Caro Alhos,
    Devorei teu texto com apetite redobrado.
    São tantas máscaras (identidades), que muitas vezes me perco de mim. De repente, me percebo em outra esquina, de outro país, imaginário ou não.
    Parabéns!
    Abraço
    d’ O Avestruz

  26. alhos Says:

    Obrigado, Avestruz!
    Abraços!

  27. Semiramis Says:

    Belo texto alhos, parabéns!

  28. alhos Says:

    Obrigado, Semiramis.
    Abraços!

  29. Leticia Z Says:

    Obrigada, Alhos! Seu texto fez uma bela faxina na minha alma, que se sente à vontade descalça, mas prefere estar da porta pra dentro. Mias uma vez penso que o que importa mesmo é reconhecer e ser verdadeiro com seus próprios gostos.
    Quanto ao tal texto do Luiz Marques, me interessou muito também. Será que vc consegue o título, o ano e número da Bravo em que foi publicado, daí eu corro atrás?
    Gracias!

  30. alhos Says:

    Leticia,
    tudo bem?
    Obrigado.
    O texto do Luiz Marques saiu na Bravo 47 (agosto de 2001), páginas 13 a 15.
    Abraços!


  31. […] texto sensacional do Alhos, passas & maçãs, um blógue espetacular sobre gastronomia (dica do Bruno). […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: