A nhanha

27/04/2011

Ela calculou que devia deixar a taça mais para a direita, linha reta com o braço apoiado. Ele nem percebeu. Olhava mais para o alto, buscava alguma coisa no rosto dela, talvez a boca — não, ele não escapava do clichê.

No centro da mesa, um mar de objetos: azeite, vela, pães, telefones, tudo mais ou menos abandonado, só para atrapalhar a circulação das mãos.

Então ela deslocou ligeiramente o corpo para frente e ele segurou mais forte o cabo da taça, tinha que tocar em algo, firmar. Só não via o movimento da perna, dela, sobre salto, quinze, sob a mesa, ainda distante da dele. Ficava assim meio marujo, na maré baixa.

Ela, terrena. Mas faltava jogar o dado, tentar regrar o acaso. A escassez no gesto era compensada por algo excessivo em ambos: o queixo dela, a gravata dele.

Vieram os pratos, massa, e o vinho ia — também a garrafa, na sua coerência literal, contribuía para o engarrafamento na mesa.

Havia (obviamente) risos. E alguma dança, feita com os pulsos.

Pensei que o pessoal do Animal Planet faria um ótimo programa sobre o peculiar ritual de acasalamento que começava: típico de Homo sapiens, subespécie classe média alta, subsubespécie freqüentador de restaurante da moda.

Daí foi a vez dele — cabe ao homem, afinal? — tentar abrir espaço. Deslocou uma taça, contornou outra, derrubou planejadamente a rolha, rasgou o sorriso tímido, procurou algo e encontrou o azeite. Só mesmo na imaginação do narrador vizinho o objetivo era a mão dela.

Ainda não, na realidade. Demoraria minutos, horas, meses, talvez nunca, para que algo ali se completasse. Talvez por isso, ela preferiu acomodar as costas na cadeira, avançar a perna para o lado, abdicar do contato direto em favor da mastigação.

Devia estar boa a massa deles, tanto que adiava o desfecho do começo, empacava o ritual — veja só, pessoal do Animal Planet, isso não acontece com lontras.

Só que meu prato estava ruim e, mesmo consciente do prejuízo para a narrativa, pedi a conta e fui embora.

18 Respostas to “A nhanha”

  1. Sergio S. Says:

    Ótima narrativa, Alhos! Confesso que também imaginava que o objetivo era a mão da moça…
    Um pouco fora do tópico, mas não muito: ah, os restaurantes da moda… por que a maioria despende tanto esforço e tantos recursos no que se vê, mas tão pouco no que serve?
    Depois de várias experiências frustradas, e com a restrição orçamentária típica do pós-casamento, minha esposa e eu temos preferido fazer em casa o que se poderia comer fora dela. É, claro, não temos os ambientes nem o serviço (para o bem e para o mal), mas podemos desfrutar dos grandes dotes culinários de minha esposa, além de gastar menos. Bem menos.
    Quando saímos, o que não tem sido praxe, costumamos fazer a linha do “play safe”, indo apenas aos lugares que já conhecemos e que figuram no topo da nossa lista de predileções. Por enquanto, tem sido sucesso garantido.
    Quando a situação ficar mais confortável, espero que haja novidades animadoras no ramo dos restaurantes para que possamos tentar nova diversificação…
    Um abraço,
    Sérgio

  2. João Costa Says:

    Pô, Alhos, sempre leio seus posts e nunca comento. Mas dessa vez não da! Não sei o que é pior: a massa ruim ou não saber o fim da dança de acasalamento.

    abraços!

  3. André Says:

    Quanto álcool tem neste post?
    Brincadeira! Muito bacana tua narrativa!🙂

  4. alhos Says:

    Sergio,
    tudo bem?
    Obrigado.
    Infelizmente não há muitos “porto seguros”.
    Tenho saído pouco também.
    Abraços!

    João,
    tudo bem?
    O desfecho certamente ocorreu bem longe do restaurante… rs
    Abraços!

    André,
    tudo bem?
    Obrigado.
    Nada de álcool, estava apenas observando, acompanhado de minha água mineral.
    Abraços!


  5. Tão bom!
    Me deu a sensação de estar vendo o casal genérico.

  6. alhos Says:

    Gabriel,
    tudo bem?
    Obrigado.
    Tomara que tudo tenha prosseguido bem entre eles. rs
    Abraços!

  7. Henrique Says:

    Oi Alhos,

    lembro de você postar no twitter essa cena. Mas só conferi o post hoje. A narrativa tá ótima!
    Mas faltou dizer qual restaurante serviu de cenário para “O nhanha”… Ou será que eu papei mosca na narrativa? rs

    Abs

    ps. Quando você descreveu “sobre o salto, 15, (…)”… Isso é uma análise bem feminina, não é? rs

  8. Maria Says:

    Ótima narrativa/crônica. Daqui desfrutei desse hábito que tanto gosto: observar a mesa ao lado!


  9. Só comento agora, mas acompanhei a narrativa pelo twitter, no dia, e vi que não ia dar em nada, mesmo. Um grande abraço!

  10. alhos Says:

    Henrique,
    tudo bem?
    Prefiro deixar o restaurante de fora.
    E acho que tem razão: o salto 15 é um toque feminino.
    Abraços!

    Maria,
    tudo bem?
    Obrigado!
    É sempre divertido olhar ao redor.
    Abraços!

    Rubens,
    não sei, não sei…
    Abraços!

  11. Daniel Neto Says:

    Bem legal a narrativa.

    Parabéns pelo excelente blog. Já o acompanho há algum tempo, mas só agora tive “coragem” de comentar.

    Tenho um blog dedicado à baixa gastronomia, com dicas de várias cidades do país. Se quiser conhecer o endereço é http://www.baixagastronomia.net

    Um grande abraço e vida longa ao “Alho, Passas e Maçãs”!

  12. alhos Says:

    Daniel,
    tudo bem?
    Obrigado.
    Visitarei seu blog, sim.
    E volte sempre!
    Abraços!

  13. glauber salomão leite Says:

    Caro Alhos:

    Na última semana fui vítima de preconceito no Epice, restaurante recém inaugurado em São Paulo. Fui “convidado” a deixar o estabelecimento pelo fato do meu filho ter necessidades especiais. Você teria interesse de publicar um texto de minha autoria, com o relato do ocorrido? Em caso afirmativo, me mande uma mensagem de email. Desde já, muito obrigado.

  14. alhos Says:

    Glauber,
    tudo bem?
    Lamento muito o ocorrido.
    O caso que, em linhas gerais, você relata é – caso não tenha ocorrido algum problema de comunicação ou mal entendido – bastante grave.
    Não publico textos de outras pessoas no blog porque rompe sua lógica de relato e testemunho pessoal (fiz isso apenas duas vezes: numa delas, o texto era de minha mulher; na outra, de uma amiga, cuja visita ao restaurante eu acompanhei. Ou seja, em ambas as vezes participei da refeição).
    Deixo-o à vontade, no entanto, para relatar o caso aqui no espaço de comentários.
    E sugiro dois outros caminhos (que, obviamente, não excluem o relato aqui no blog): estabelecer contato com o próprio restaurante e avaliar, a posteriori, o episódio e escrever ao Guia, do jornal O Estado de S. Paulo, que tem seção dedicada exatamente a ocorrências desagradáveis havidas em bares e restaurantes.
    Em qualquer dos casos, acho necessário que o caso seja esclarecido: seja para diminuir ocasionais mal-entendidos, seja para que episódios dessa ordem não se repitam.
    Abraços!

  15. Mailin Says:

    Alhos, sempre acompanhando suas obras…E como é bom se esbaldar em algo tao inofensivo, como uma bela degustaçao, e sobretudo gostar do que se faz diversificando varios sabores e opinioes. Ao final sempre parabens pelos comentarios.

  16. alhos Says:

    Mailin,
    obrigado!
    Abraços!


  17. Ah! Não teve prejuízo não… o final da dança por conta da imaginação é melhor… vai que a dança fica igual a massa? Adorei o texto! Abraços, Adriana.

  18. alhos Says:

    Adriana,
    obrigado!
    Abraços!


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: