El Baqueano

29/07/2012

 

El Baqueano: o restaurante que escolhemos para encerrar uma semana de bons passeios e refeições trágicas na cidade que já foi a minha preferida no mundo.

 

Inevitável: ele entrou para o roteiro dos turistas brasileiros que gostam de comer bem quando, dois anos atrás, o Paladar —suplemento gastronômico do Estadão— lhe deu destaque numa matéria sobre Buenos Aires. Não bastasse, estava também no topo da lista de recomendações feita por um amigo que entende de comidas.

 

Dizem por aí —e sabemos bem, ah, se sabemos…— que expectativa alta é prenúncio de decepção extrema. E ela batia nas nuvens quando chegamos à porta, ainda fechada, da casa de San Telmo. Tocamos a campainha às 8 em ponto e entramos no salão moderno e agradável.

 

A proposta do Baqueano é servir carnes de animais naturais do país que são consumidas no interior e no litoral, mas não estão presentes nos cardápios dos restaurantes e no dia-a-dia das grandes cidades argentinas: lhama, jacaré, javali, lebre… Em bom português, oferecer o que é inusual aos paladares urbanos para fazê-los lembrar o que é usual aos paladares de outras partes.

 

Por cerca de três horas seguimos a degustação (única opção da casa) e, ao sairmos, estávamos bem satisfeitos. E com uma dúvida na cabeça.

 

Nem todos os pratos nos agradaram, é verdade. O javali com ovo preparado a baixa temperatura estava irreversivelmente rijo e resistia com bravura à faca e aos dentes. Insisti e dei cabo dele; minha mulher e minha filha o abandonaram quase inteiro. Perguntamos à sommelière (e responsável pelo salão) se a textura era mesmo aquela e ela nos disse que sim: o restaurante optava por preservar a estrutura das carnes e, portanto, mantinha a rigidez natural do javali. Ao final do jantar, ela voltou a nos procurar e reconheceu que a cozinha provara a carne e notara que ela estava exageradamente dura.

 

A lebre e o caracol com texturas de cogumelos silvestres tinham aparência e sabor marcantes: sugeriam mata & mato e demonstravam o caráter prioritariamente conceitual do prato.

 

Também havia notável preocupação com explicitação de conceitos e técnicas no prato que abriu a refeição e que combinava quatro texturas distintas de batata. Aqui, porém, o sabor estava à altura da proposta.

 

Superior aos três foi a agradável salada morna de vizcacha, roedor aparentado à chinchila, de carne firme e consistente. As duas sobremesas —“texturas de pera com sopa duo de chocolate” e “abóbora + garrapiñada + sopa de queijo + sorvete de torrontés”— fecharam corretamente a refeição.

 

O melhor, no entanto, compareceu no segundo e no terceiro pratos da sequência: uma excelente coxinha de jacaré e a sensacional “interpretação de moussaka”, feita com carne de lhama.

 

Transplantada para o Prata, a coxinha tinha fritura precisa e excelente proporção entre massa e recheio. A carne do réptil, de gosto obviamente mais incisivo que o do frango, se ajustou maravilhosamente ao salgado brasileiro. A moussaka, por sua vez, associava sabores intensos, bem definidos, no melhor prato da noite.

 

Os ótimos vinhos que acompanharam os pratos mostraram uma Argentina bastante diferente da que nossas importadoras em geral privilegiam, uma Argentina mais suave, incisiva, aveludada, complexa: Tupun viognier 2010 (para as texturas de batata, a vizcacha e o jacaré), Tempus merlot 2008 (para a moussaka e a lebre), Punto Final cabernet sauvignon single vineyard (para a lebre), Lancatay sémillon blanc late harvest (para as sobremesas).

 

Se o saldo do jantar foi predominantemente bom, por que, então, sobrou a tal dúvida mencionada no início do texto?

 

Dúvida que girou nas nossas cabeças pelos dois quilômetros de ruas que percorremos a caminho do hotel, ruas quase vazias dessa cidade sempre linda; dúvida persistiu mesmo semanas depois, já de volta a São Paulo: será que temos clareza do sabor dos animais que comemos?

 

O comensal regular da casa —estrangeiros e, creio, argentinos— não está habituado à peculiaridade desses gostos e não os descobre com plenitude através das receitas servidas. Diferentemente do que ocorre com carnes já provadas milhares de vezes, em inúmeras versões e formas de preparo, é difícil perceber o, digamos, tom específico daquele animal, a presença singular daquele sabor.

 

Ainda durante a refeição, minha mulher levantou a questão: e se eles servissem um pedacinho de cada carne, puro e destituído do amplo repertório de temperos que os pratos comportam? Uma espécie de mostruário, para que o cliente dimensionasse melhor o uso do ingrediente?

 

Sei qual seria a resposta da casa. O Baqueano rejeita tratar como exóticas as carnes que serve. O princípio —algo ideológico— está no site do restaurante e é explicitado no preparo dos pratos: jacaré, vizcacha, lhama são utilizados de modo a não destacar sua especificidade. Eles compõem as receitas e o gosto deve deslizar suavemente em meio a outros ingredientes e combinações.

 

Respeito o conceito e concordo em tese. Só que minha perspectiva não é a do restaurante. É a do curioso que gosta de experimentar e de conhecer mais coisas. Que, no jantar, prefere a comida à ideologia.

 

Como conciliar dois usos, aparentemente incompatíveis, dos mesmos ingredientes? Como rejeitar o exotismo e, ao mesmo tempo, reconhecer que, para bastante gente, há mesmo muito de exotismo na coisa?

 

Claro que não tenho resposta para a questão. Claro, também, que ela não desmerece em nada a boa cozinha e o excelente trabalho com vinhos do Baqueano. Ao contrário: dá mais alento e vontade de voltar.

 

 

El Baqueano

Calle Chile, 495, San Telmo, Buenos Aires, Argentina

 

9 Respostas to “El Baqueano”

  1. aristotelespe Says:

    Sei que você não se pretende um guia, mas de quais restaurantes você mais gostou em Buenos Aires?

    Já fui a ela algumas vezes e, embora tenha feito algumas boas refeições, acho que sobra um tanto de pretensão e falta resultado – talvez isso a aproxime do Brasil, nao?

    Abraços,

  2. Luciana Betenson Says:

    Alhos,
    Como já comentei com você anteriormente, não fomos nada felizes no El Baqueano. Na realidade, nosso jantar foi um pouco diferente do habitual porque fizemos um tour gastronômico a pé por três restaurantes e o segundo deles, do prato principal, era o El Baqueano. Serviram três amostras de pratos consagrados da casa. Não saberei dizer quais no momento, porque não guardei lembranças, já que as carnes estavam mais que bem passadas, esturricadas mesmo. Sei que a proposta era diferente do menu degustação, mas de qualquer forma era um tour considerado bacana na cidade e o nome do restaurante estava em pauta não? Fomos bem mais felizes na Vineria del Gualterio Bolivar. E no Crizia. Abraços!


  3. Alhos,

    muito boa a análise, assim como a desconfiança de até onde conceitos preenchem o paladar !

    Sou arquiteto, e muitas vezes encontro o mesmo dilema na minha profissão.

    Ps.: Vc ja comeu no broccolino ?


  4. ah, o sr cometeu um pequeno erro de digitação e escreveu lhana e não lhama, erro obviamente diminuto frente a qualidade irretocável de suas análises.

  5. alhos Says:

    Aristóteles,
    tudo bem?
    No geral, comi muito mal. Além do Baqueano, minha única boa refeição foi no Pobre Luis, em Belgrano. Mollejas sensacionais, fígado muito bom, rins bons, carnes boas.
    Falta resultado, sim, e os preços estão no mesmo (altíssimo) padrão dos restaurantes brasileiros.
    Abraços!

    Luciana,
    tudo bem?
    Uma pena. Não fui aos dois outros que cita.
    No Baqueano, apenas o javali mostrava erro claro no preparo. Os demais pratos estavam bons ou muito bons.
    E, obviamente, se a casa aceitou a proposta, deveria servir bem.
    Abraços!

    Raphael,
    opa, obrigado. Correção feita.
    Acho que a dúvida sempre aparece, nas diversas áreas, não é?
    Fiz, no Broccolino, a primeira refeição dessa viagem. É um restaurante que frequentei muito, entre 89 e 90. Passava longas temporadas a trabalho, em Buenos Aires, e me hospedava quase ao lado, no Posta Carretas.
    Dessa vez, infelizmente, a comida não estava nada boa. Comi uma milanesa péssima. Minha mulher e minha filha pediram massas, que estavam muito além do ponto. Uma pena.
    Abraços!
    Abraços!

  6. cadoria2 Says:

    Fico muito preocupado com o comer mal em Buenos Aires. E curioso para saber onde, para evitar.

  7. alhos Says:

    Dória,
    tudo bem?
    Desculpe-me, por favor, a demora na liberação do comentário. Não sabia que ele estava parado aqui.
    A viagem não foi gastronômica. Foi meio a trabalho, meio a passeio. Comíamos onde podíamos e nos parecia razoável. Erramos em todas. Mesmo na Brasserie Berry e no Broccolino, que frequentei muito nos idos de 89, 90, e que nos serviram refeições lastimáveis.
    Abraços!

  8. cadoria2 Says:

    Ao menos ganharam no basquete….

  9. alhos Says:

    Dória,
    pois é…
    Abraços!


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: