Archive for the 'cave du sommelier' Category

Arredores

21/05/2013

 

De repente, não mais que de repente, os arredores de onde moro começaram a abrigar locais de comidas e bebidas.

 

Antes, num raio de, digamos, quatrocentos metros, havia apenas dois botecos (não visitáveis), três cafés (ruins), uma loja de empadas (inexpressiva, e já fechou). Padarias, claro, três ou quatro, mas tenho o capricho de preferir a Caconde, que fica a seiscentos ou setecentos metros e que tem pão de verdade.

 

As boas exceções eram o Estación Sur, a Veridiana, o Saint Louis e, bem mais recentemente, a Tasca da Esquina. Fora eles, como diria Edith Piaf, rien de rien.

 

Mas de repente, não mais que de repente (epa, já usei essa fórmula), brotaram boas comidas e bebidas, ou quase boas, e bem perto.

 

Praticamente defronte a meu prédio, bastando atravessar a rua, uma obra rápida e imensa (demoliram, construíram) gerou o Pão com manteiga. Duas visitas nem longinquamente empolgaram. Mas não deixa de ser uma opção, em caso de urgência urgentíssima.

 

Cinquenta metros ao Norte, sentido Avenida Paulista, a honesta Cave du sommelier não é a loja de vinhos dos sonhos (ainda bem, diga-se de passagem, para evitar falência imediata), mas tem um repertório razoável e atendimento simpático e objetivo. Dois ou três rótulos uruguaios e meia dúzia de franceses justificam a visita, sobretudo se você descobre, na hora h, que o que tem em casa não é o que queria beber.

 

Vinte metros ao Sul, sentido rua Estados Unidos, Dgé, resultado de uma obra lenta (a reforma durou quase um ano), que motivava comentários curiosos e ocasionalmente maldosos na vizinhança. Nasceu com um excelente bartender, que infelizmente durou pouco. A substituta prepara drinks corretos, sem maior destaque. A comida é, no geral, boa, o serviço é gentil, o almoço executivo é honestíssimo, o deque frontal é pequeno e muito agradável.

 

Descem-se mais dez metros pela Alameda Campinas e se chega à doceria May. Doces bem feitos. Carecem de algum refinamento e tendem a exceder no uso do açúcar, mas são bem concebidos e empregam ingredientes de boa qualidade. Atendimento simples e atencioso completam o bom cenário.

 

Nenhum endereço que arrebate, eu sei. Mas de repente, não mais que de repente (ora, de novo!), você se dá conta de que bom mesmo, perto de casa, é ter lugares a que se vá sem grande expectativa, apenas para beber ou comer algo, para espairecer e exorcizar o demônio nosso de cada dia. O resto, como tanta coisa no mundo das comidas e bebidas, é afetação.