Archive for the 'douce france' Category

Cardápio incompleto

09/06/2010

 

Na quarta-feira passada, minha filha fez onze anos. Trocamos a festa por um passeio; então, só restou um jantar aqui em casa, com os avós e duas amigas.

No lugar do bolo, ela quis seu doce preferido na versão favorita: o Mogador da Douce France, que é, na prática, uma combinação de pão-de-ló, mousse de chocolate e geleia de framboesa.

Três dias antes, domingo, fui até lá e fiz a encomenda, para dez pessoas, pagamento antecipado (109 reais). Doce caro, claro, mas que valeria a alegria da filha e o prazer da boa pâtisserie.

E às 18h45 da quarta o retirei, levei para casa e deixei na geladeira até as 21h30, final do jantar, quando cantamos parabéns e o cortamos.

Surpresa: mousse congelada, pão-de-ló ressecado, geleia gosmenta.

Minha mulher e eu nos entreolhamos; minha filha deixou mais da metade da fatia no prato; os convidados, elegantes, comeram até o fim o que lhes fora servido.

Dia seguinte, fomos passear e chegamos tarde em casa. Na sexta de manhã minha mulher ligou para a Douce France e falou com Odilon, o gerente.

Desconfiado, ele argumentou ser impossível que o doce estivesse nesse estado. Lembramos a ele que somos clientes desde a abertura da loja (morávamos praticamente do lado), que minha filha ia lá ainda bebê, que acompanhamos a gravidez da mulher do pâtissier…

O gerente então nos assegurou que verificaria com o chef o que podia ter acontecido e daria uma resposta no dia seguinte, sábado.

E assim passaram os dias até ontem, terça, quando minha mulher voltou a telefonar. Soube que o gerente não podia atendê-la e, por isso, deixou-lhe um recado, pedindo retorno.

Esvaiu-se a terça inteira e quase toda a manhã da quarta sem notícias. Foi quando cheguei à conclusão de que atenção ao cliente não era prioridade da Douce France e decidi relatar o episódio no blog — arcando com mais um custo, o da exposição de quem prefere ser anônimo. É que com aniversário de filha não se brinca.

Agora resta tristeza, sensação de desrespeito, desatenção. Desconsolo diante de uma casa que já foi boa, tornou-se irregular e chega agora, perante nós, a tal desfecho.

Disse uma vez e repito: blog não é instrumento de vingança. E tampouco é vingança o que quero. Na verdade, ao reclamarmos com o gerente, nem mesmo pretendíamos compensação financeira ou reposição.

Queríamos só alertar para o erro, desabafar, receber atenção e um pedido de desculpas. Mas este, ao que parece, não consta do cardápio da Douce France.


Anúncios

My poor tongue

30/04/2009

 

Entramos na doceria e pedimos dois sorvetes: um para mim, outro para minha filha.

– Como querem? – pergunta a moça.

– No copo. – respondo.

Sentamos numa mesa com minha mulher, que preferiu um doce.

Chegam os sorvetes, num copo de plástico mole, desses de água. A colher, pequena, quase não chega ao fundo dele.

Um pouco pasmos, tomamos.

Minha filha encontra dois belos pedaços de gelo: um no sorvete de baunilha, outro no de framboesa.

Para comprovar que a refrigeração anda com problemas, meu sorbet de chocolate 70% parece crocante de tanto gelinho.

Minha mulher, meio impaciente, se levanta e vai reclamar dos copinhos. Ouve:

 

– Foram eles que pediram.

Acabamos o sorvete e queremos café. Ninguém atende.

Doceria praticamente deserta. Cinco minutos se passam.

Minha mulher se levanta de novo e pede que alguém nos atenda. Demora só mais um pouquinho.

Ao pedirmos os cafés somos novamente acusados pelos copinhos:

 

– Pediram copos: são os únicos que temos.

Não adianta explicar que não cabe ao cliente conhecer os recursos da casa, mesmo se a freqüenta desde o exato dia da abertura e com boa regularidade. Ou que sorvete não pode ser servido em copo mole de água, nem com ordem presidencial.

Tomamos o café e vamos ao caixa pagar a conta. Mais demora.

E a conta inclui 10% de serviço.

10% em doceria, e com esse atendimento?

Saímos de lá sinceramente chateados. Gostamos do lugar.

Onde aconteceu tudo isso?

Na Douce France, que elogiei aqui mesmo, há dez dias.

Em bom português, I burned my tongue…

Diário de um enforcado

20/04/2009

Ando meio enforcado por conta do Imposto de Renda. Por isso, as idas a restaurantes rarearam um pouco.

Um fim de semana esticado, porém, com uma terça de enforcamento e uma segunda enforcada, merece alguma comemoração. Recolho aqui algumas anotações das andanças.

Sexta à noite: atualização de cardápio

Visita ao Sal para provar dois pratos que não conhecíamos. O nhoque de mandioquinha com ragu de javali e o copa lombo com quiabo, tomate e farofa de pão e maçã.

O nhoque – opinião de minha mulher, especialista no assunto – é o melhor que já provamos. Macio por dentro, selado por fora, com gosto marcante da mandioquinha. O ragu, forte, faz lembrar que comida italiana não é para principiantes… Merece um pão para conter a fúria da carne e do tempero. Mas é bom.

O copa lombo veio num pedaço que dava, por baixo, para dois. Me esforcei e dei cabo – com o auxílio valioso de minha filha. A carne, gorda (no bom sentido) e macia, é assada por horas e mantém o sabor intenso, destacado. Excelente. Os quiabos e a farofa acompanham bem. Dispensaria os tomates, mas acho que a maior parte das pessoas não o faria.

Para acompanhar, um Bergerie de L’Hortus, Pic Saint-Loup. Peguei mania desses vinhos do Languedoc.

Sábado à tarde: minidegustação de sorvetes

Primeiro na Douce France: baunilha, frutas vermelhas e o sorbet de chocolate 70%.

Depois, na Sódoces: laranja e chocolate, cupuaçu, chocolate de origem, baunilha e frutas vermelhas de novo.

Tomamos devagar, sem aquela vontade de tirar o pai da forca. Depois, analisamos criteriosamente um a um, comparamos com cuidado e concluímos: são todos ótimos e não dá para priorizar um ou outro…

Sábado à noite: árabe (mais ou menos) de casa

Uma passagem rápida pelo supermercadinho vizinho, que faz pastas bastante razoáveis. Coalhada, homus e babaganuche. Pão sírio, claro. E uma garrafa de Norteña.

Um telefonema para o Almanara, que pode não ser o Arábia nem a Tenda do Nilo, mas é honesto. Esfihas, kibes e – exigência ininterrupta da Lia – charutinho de folha de uva.

E noite de comilança. O destaque foi o babaganuche, com gostinho mais de queimado, ótimo.

Domingo de manhã: padaria em casa

Já estava tudo preparado para um pão na chapa doméstico. Pão, manteiga boa e, para fechar, melado.

Duas fatias com um toquinho de flor de sal. A terceira levou uma leve camada de melado por cima. Uau!

Domingo à tarde: especialidade da casa

Gosto de pato. Adoro pato. Na verdade, sou absolutamente louco por pato. Um dia, ainda vai brotar pena em mim.

Havíamos comprado uma quantidade industrial de coxas e sobrecoxas congeladas da Vila Germania. E temos um bom reservatório de gordura de pato sempre pronto na geladeira.

Separamos quatro peças, devidamente dispostas e cercadas de gordura numa das nossas novas panelas, que pesam mais que nossa cachorrinha. Ficaram quase fritas (foi a panela? O excesso de gordura?). Depois, forno, com a pele já crocante.

Para acompanhar, cenouras raladas com um tiquinho de creme de leite e batatas raladas no forno. E um Château Puycarpin, bordeaux básico, que caiu muito bem.

E o pato, ah, o pato…