Beato

28/03/2015

 

Num primeiro olhar pelas redes sociais, o mundo das comidas parece ter virado uma imensa Disneylândia: entretenimento ininterrupto, sorrisos estampados nos rostos, infantilidade, disposição lúdica acima de qualquer coisa.

 

Se observarmos melhor, porém, cai essa máscara e emerge outra, assustadora, com toques de declínio e queda do Império Romano: certo tom orgiástico, alegria artificial, despudor a toda prova, bebidas que jorram, ostentação, fluidez ética e moral.

 

Verdade que os dois grupos são mais complexos do que a rápida descrição acima.

 

No primeiro, nem tudo é festa; há também encenação: alguns dos que parecem apenas se divertir, na verdade, colhem frutos bastantes significativos nas verdes matas de sua ilha da fantasia.

 

O segundo talvez seja mais compreensível por meio de uma sentença psicanalítica de botequim: decadência sem elegância.

 

Divirta-se quem quiser, mas meu mundo é outro. E tão exageradamente outro, que chego a implicar, às vezes injustamente, com restaurantes que são endeusados por uma dessas duas turmas, as verdadeiras ou falsas criançonas e os romanos tardios.

 

O efeito é que basta iniciar-se uma celebração exaustiva de alguma casa para me manter afastado de lá.

 

Foi assim com o Beato, na primeira fase. Demorei a ir e, quando fui, encontrei uma cozinha de resultados inexpressivos e as piores cadeiras da face da Terra. E foi assim com o Beato, na segunda fase —só que, felizmente, dessa vez os resultados foram melhores.

 

O Beato —e todos sabem disso— mudou de direção há uns meses e sua cozinha ganhou as mãos e o imenso talento de Alberto Landgraf. O salão abandonou a falsa suntuosidade (e, vale lembrar, as horríveis cadeiras) da primeira fase e assumiu tom mais informal. O cardápio foi montado a partir de um conjunto de petiscos (grafado em português camoniano no menu: snacks), meia dúzia de entradas e oito pratos principais. A carta de vinhos e de cervejas tornou-se enxuta e inteligente. O bar passou a ser liderado por Kennedy Nascimento, que antes trabalhou no MyNY bar e no Épice, do mesmo Landgraf. (Sei que o restaurante prefere não acentuar o E inicial, talvez por temer uma pronúncia aportuguesada e aberta, mas não resisto: acentuo.)

 

Logo depois da reabertura, ganhou ares de nova estrela da gastronomia paulistana e foi cantado em verso e prosa —o que imediatamente me fez evitá-lo. Mais cedo ou mais tarde, sabia, acabaria por conhecê-lo: não havia pressa, não era desses restaurantes bonitinhos, moderninhos, inexpressivos e de vida brevíssima. Um compromisso lá perto, ontem, trouxe a chance para um jantar em família.

 

Dos snacks, comemos a mandioca frita na manteiga de garrafa, com salsinha, e a tapioca com requeijão e carne seca: petiscos de origem idêntica e identicamente deliciosos.

 

Entre os principais, tagliatelle com mexilhões, atum com pupunha e barriga de porco com purê e vagem. Tagliatelle extraordinário no sabor, no cozimento, no molho; infelizmente com pouquíssimos mexilhões, e rijos. Atum saboroso, igualmente no ponto. Maravilhosa barriga de porco, deliciosa vagem, purê quase sem sal.

 

Do bar veio um Bloody Mary bem montado, mas com suco de tomate (caseiro) curado demais e temperado demais para meu gosto. Questão de gosto, claro, ou de um pequeno deslize —pequeno mesmo, perto da qualidade do jantar e dos preços justos do cardápio.

 

Saímos intimamente felizes —a prova dos nove de um jantar. Justamente por isso preferimos não publicar, nas redes sociais, fotos de todos os pratos, carregando nos adjetivos vulgares para celebrar a comida ou o lugar. Tampouco nos fizemos mostrar meio tortos, caricaturas vivas sob a lua, em êxtase gastronômico.

 

Porque um bom restaurante não precisa associar-se à propaganda falsamente espontânea ou ao desvario fingido dos que não percebem que o Império está à beira do abismo.

 

Um bom restaurante —e o Beato em sua nova fase é muito bom— vive da qualidade de seu trabalho.

 

 

Beato

Rua dos Pinheiros, 174, Pinheiros, São Paulo

tel. 11 2538 8107

 

9 Respostas to “Beato”


  1. Deixei de ir ao Beato, quando estive em São Paulo em fevereiro, pelos mesmos motivos que te fizeram hesitar, Alhos. Agora estou arrependida.
    Obrigada por ser um guia tão confiável das mesas de sua cidade. Que bom haver gente como você e um mundo como o seu, tão exageradamente outro.

  2. Pedro Says:

    tradicionalmente, não se acentuam letras maiúsculas em francês… creio que por isso a omissão…
    abraço

  3. alhos Says:

    Pedro,
    creio que não. A acentuação de maiúsculas, no francês, é de fato opcional, mas o nome do restaurante é grafado com inicial minúscula.
    Abraços!

  4. alhos Says:

    Constance,
    você sabe que sou sempre eu que devo lhe agradecer. Inclusive por esse comentário.
    Beijo.

  5. Bruno Says:

    Parabéns pelos dois primeiros parágrafos. Resumiu esplendidamente o atual cenário.
    O artificialismo, as risadas forçadas, a necessidade de vender a todos uma vida “ideal”, com as melhores “experiências” é de uma tristeza profunda. Sinal evidente da decadência que estamos.
    Muito mais do que fotos e autopromoção, carecemos mais e mais de relatos como o seu Alhos. Viva a boa comida e o mundo real.

    Saudações

    Bruno S.

  6. Fernando Says:

    Acompanho seu blog há anos, muitos anos. Acho que nunca comentei um post, mas a memória já não é a mesma. Concordo com algumas posições, discordo de outras e a vida segue. Temos amigos em comum e comecei a me interessar por gastronomia na mesma época que você começou a escrever aqui. Quanta coisa mudou nesses últimos anos, é impressionante. Resolvi escrever pois você conseguiu expressar exatamente o que eu sinto em relação ao cenário paulista da restauração. Gente que vive uma vida que me parece fantasiosa demais pra ser verdade. Gente que toma diariamente garrafas e garrafas de vinho que pessoas normais sonham em experimentar uma vez na vida. Pratos ruins colocados como se fossem um manjar de deuses, tudo registrado e publicado nas redes sociais, dia após dia, os mesmos pratos, os mesmos lugares, as mesmas pessoas. Que bom que sua ida ao Beato foi proveitosa e parabéns pela força de vontade em continuar escrevendo. Eu, confesso, cansei disso tudo.

    Abraço.

  7. alhos Says:

    Bruno,
    obrigado pelo comentário.
    O mundo real é sempre mais difícil e melhor, no mínimo porque é nele que estão as pessoas que importam.
    Abraços!

    Fernando,
    de vez em quando desisto. Depois, de repente volto a ter vontade de escrever. O blog, no fundo, é um grande laboratório da escrita; por isso vario estilos e estratégias narrativas. Ou seja, o contrário do que muito jornalista faz, escrevendo um mesmo texto incontáveis vezes e independentemente do tema.
    Mas você tem absoluta razão: há um limite para suportar a ostentação, o engodo e o vazio.
    Já vi e ouvi de tudo nesses anos. No capítulo ‘vinhos’, soube de histórias tão ultrajantes quanto mesquinhas; acho que é o ponto mais sensível desse universo gastronômico, e poucos se dão conta dos bastidores desse universo. No capítulo ‘comida’, recebi confissões e desabafos inacreditáveis, feitos por gente muito séria, e assisti a exibições exuberantes de cozinheiros medíocres. No capítulo ‘donos de restaurantes’, já li elogios rasgados a quem simplesmente copia modas estrangeiras e aqui é celebrado como ‘pioneiro’. No capítulo ‘jornalismo’, conheci um dos maiores canalhas com quem tive azar de cruzar na vida.
    Enfim… Por seu relato, sua experiência não deve ser muito diferente.
    No fundo, talvez o que me faça insistir, o motivo dessa ocasional vontade de escrever, sejam certas pessoas que encontrei nesse mundo: pessoas inteiras, plenas, significativas; pessoas que passaram a fazer parte da minha vida. Arrisco que, entre elas, esteja algum, ou estejam alguns, desses amigos em comum.
    Abraços!


  8. Pois é Alhos. Mais um se foi. Não consegui conhecer a tempo, pena, fecha no domingo 17/05.

  9. alhos Says:

    Ernesto,
    dos mistérios do mundo dos restaurantes: enquanto era ruim, persistia; quando ficou bom, fechou.
    Abraços!


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: