Archive for the 'o pote do rei' Category

Sintonia fina

29/07/2010

 

Em São Paulo, restaurantes abrem e fecham. Diariamente ao fim do expediente, às vezes para sempre.

Em 2009, no lugar do Toro — bom restaurante que fechou de vez — abriu O pote do rei.

Demorei quase um ano para conhecê-lo, talvez temeroso de que entrasse na ciranda paulistana da vida breve, talvez em dúvida quanto à rubrica imprecisa como é classificado: “mediterrâneo”, esse espaço geográfico-cultural-culinário absolutamente variado que, na falta de outro termo, passou a designar uma gastronomia que enfatiza o papel dos azeites e combina tradições que vão da península ibérica à balcânica, com passagens pelo Oriente próximo e o Marrocos. Coisa demais, história demais para condensar numa só palavra — ou num cardápio.

O fato é que só agora conheci de verdade O pote do rei. E, no geral, gostei do que vi e comi. Lugar simpático, com área agradável ao fundo e serviço gentil.

Minha mulher pediu o medalhão de filé no demi-glace com crosta carregada de alho e “petit gateau” de mandioquinha e brie. Carne macia, saborosa, no ponto (conforme pedido). Derrapou, porém, no alho em excesso da cobertura, cujos aroma e sabor encobriam a carne.

Meu confit de pato com raspas de laranja e molho de Porto e foie veio acompanhado de cuscus marroquino com passas e castanhas portuguesas. Pato bom, cuscus inventivo e de sabor destacado, combinação feliz. O molho era gostoso, mas forte demais; felizmente não foi derramado sobre a ave, permitindo dosá-lo.

Os deslizes dos dois pratos salgados não nublaram a qualidade da concepção e execução. Mostraram, inclusive, uma saudável disposição de arriscar, de não aceitar o básico — que muitas vezes também é banal.

A sobremesa, porém, estava toda errada. A ideia do crumble de pêra com sorvete de queijo de cabra nos atraiu. Mas o sorvete e a torta não dialogavam e em ambos havia problemas: o sorvete chegou parcialmente derretido à mesa e lhe faltava o sabor intenso, característico do queijo caprino; a cobertura do crumble carecia de crocância. Uma pena.

Apesar dos problemas, o saldo foi positivo. Talvez falte ao trabalho do chef William Ribeiro algum ajuste na sintonia fina. Por não ter medo de errar na mão, ele arrisca no uso de temperos e complementos, ocasionalmente excede — mas isso ainda é melhor do que se contentar com pouco. Aparentemente, tem recursos para crescer, afinar um pouco mais a técnica. O pote do rei então escapará do carrossel de abre-e-fecha paulistano e achará seu lugar — que talvez não seja propriamente sob o rótulo “mediterrâneo”, mas algo melhor: um português renovado, tipo de restaurante de que a cidade precisa.

O pote do rei

Rua Joaquim Antunes, 224, Pinheiros, São Paulo

tel.  11  3068 9888

Como chegar lá (Guia 4 Cantos): O pote do rei


Anúncios