Archive for the 'julice' Category

Dos privilégios

10/03/2012

 

Entro na Julice. Doze pessoas na fila. Uma moça grávida, um rapaz com bebê de colo.

 

Espero pacientemente. Todos esperamos.

 

Sábado de manhã: inevitável esperar.

 

Eis que chega um chef de restaurante próximo, aparentemente amigo da casa. Ele abraça o caixa, segue até o fundo da padaria, conversa com a própria Julice por alguns minutos.

 

A fila anda, as funcionárias, pacientes, atendem, mas não dão conta.

 

Agora sou o quarto na fila e há três pessoas atrás de mim.

 

O chef ignora a fila e começa a escolher os pães. É prontamente atendido.

 

Indignado, desisto.

 

Ao sair passo pelo caixa e reclamo. Recebo um olhar de desdém e uma resposta inesperada: “Ai, querido, não dá para ver!”

 

Volto para a casa sinceramente chateado. Adoro os pães de lá, respeito muitíssimo o trabalho da Julice —já escrevi mais de uma vez sobre isso aqui no blog.

 

Resolvo relatar o episódio no twitter. Outros também reclamam do atendimento.

 

Então, o twitter oficial da padaria me responde e nega: não, o “chef” só foi cumprimentar os funcionários e depois entrou na fila. A fila é respeitada.

 

Esclareço que, lá, o chef não é chef; é um cliente comum.

 

E que não!, não foi assim. Ou a casa quer dizer que sou mentiroso?

 

Pior que o desrespeito é a tentativa de iludir o cliente.

 

Instantes depois, outro cliente que estava lá —o que tinha o bebê no colo— confirma, pelo twitter, minha versão e diz que, depois que saí, o caixa e o chef ironizaram minha reclamação e riram dela.

 

É a vida. Afinal, os privilegiados também sabem rir. Aliás, sobretudo eles.

 

Para os comuns, existem as filas (nem sempre respeitadas) e as redes sociais.

Dois adendos e duas conclusões (às 18h de 12 de março de 2012):

– o responsável pelo twitter oficial da Julice, em outro gesto pueril, parou de me seguir e de seguir várias pessoas que endossaram as reclamações;

– um amigo me informou que o caixa é também o gerente e o administrador do twitter oficial da Julice. Se a notícia se confirmar, todos os erros foram cometidos pela mesma pessoa;

– uma conclusão: o episódio aparentemente não provocou qualquer mudança na padaria; prevaleceu a disposição de desconsiderar a voz dos clientes, não assumir os erros nem responsabilizar os culpados por estes erros;

– outra conclusão: o assunto Julice se encerra aqui. Só voltarei ao tema se houver desculpas oficiais, reconhecimento dos erros cometidos e, dessa forma, possibilidade de diálogo adulto, sério e profissional.

 

Anúncios

2011 à mesa

15/12/2011

Fim de ano, hora de balanço.

Cogitei soltar uma nova fornada do Alho de Ouro, idiossincrático e bissexto prêmio, mas desisti.

Preferi falar dos lugares que valeram a pena, para mim, em 2011.

Duas estreias que, além de serem as mais interessantes do ano, ainda por cima rimam: Julice e Epice.

Julice, a padaria que me deu alegria atrás de alegria —e a melhor das alegrias, a de ter um delicioso pão, alimento essencial, sempre por perto.

Epice, o restaurante que criou um almoço executivo sensacional e que, se conseguir à noite a excelência que demonstra de dia, pode se tornar um dos melhores de São Paulo.

Os quatro melhores jantares do ano aconteceram em restaurantes de estilos muito diferentes: uma inacreditável degustação na Brasserie de Erick Jacquin —um dos grandes jantares da vida, não só do ano—, outra degustação maravilhosa com Roberta Sudbrack, a revelação da absoluta delícia do Clandestino e um jantar decisivo num de meus refúgios favoritos, a Tappo.

Fora isso, a conclusão de que Marcel, Ici e 210 Diner continuam deliciosos. Que o Tordesilhas prossegue na lista dos restaurantes essenciais da cidade. Que o Emiliano corrigiu a afetação de seu serviço e sua comida está melhor do que nunca. Que a Casa da Li, a princípio uma rotisserie, virou também um excelente restaurante.

Mas se eu tivesse que escolher meu restaurante do ano, escolheria o AK, agora AK Vila, uma reestreia. Perdi a conta de quantas vezes comi lá, do quanto minha geografia da cidade foi alterada para que eu frequentasse mais a Vila Madalena. No AK Vila, além da comida sempre boa, descobri o acolhimento e o prazer que sentia no AK da Mato Grosso e que eu supunha ter perdido na mudança. Não perdi.

E, como tudo tem seu lado ruim, o ano também trouxe grandes decepções. Um jantar caríssimo, cheio de afetação e sem brilho no Arola 23. Uma refeição igualmente cara e desleixada no Kinoshita. E o desconfortável desaparecimento do Jun Sakamoto, em meio a um jantar em seu balcão, sem que qualquer satisfação fosse dada aos clientes —que haviam cumprido todas as recomendações dadas por telefone, quando da reserva.

Mas faço as contas e vejo que o balanço foi positivo. As coisas boas ultrapassaram em muito as ruins e esse 2011 à mesa valeu a pena.

Agora, descansar e descansar, porque nos outros setores foi um ano pesado demais. E esperar que, com ou sem o fim do mundo, 2012 seja um ano muito bacana para todo mundo.

Obsessão

17/09/2011

 

Olho a mesa da copa e conto: um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito.

 

Oito.

 

Oito pães. Duas baguetes, dois croissants de amêndoa e chocolate. E ainda centeio com castanha do Pará, linhaça com castanha do Pará, calabresa com Beaujolais, só centeio.

 

Pão demais para três pessoas comerem num só dia, ou dois.

 

No entanto, é inevitável. Inevitável desde que abriu a Julice. Eu — que nem moro tão perto — vou lá toda semana, às vezes mais de uma vez.

 

Invento todo tipo de pretexto para passar defronte, comer o brioche, o pain au chocolat, o de gorgonzola, o de açafrão e passas, tantos outros.

 

Ou acordo, nas margens da Paulista, e pego o carro para atravessar quatro quilômetros e tomar café da manhã lá.

 

No 7 de setembro, sem qualquer compromisso antes do meio dia, o despertador me acordou às 8 e fui comprar pão para começarmos bem o dia.

 

Obsessão, diriam os ingênuos.

 

Não é. Acontece que pão é coisa séria, bem séria.

 

Pão está na origem de tudo, simbólica e fundamentalmente.

 

Pão, que uns associam ao alívio da fome saciada e outros, à delicadeza, à profundidade do gosto, à textura, ao calor do forno e da alma.

 

O pão da Julice passou a representar tudo isso para mim, que vivo numa cidade cujas padarias viraram supermercados, se encheram de produtos desnecessários e esqueceram da qualidade de seu produto básico, essencial.

 

Nessa cidade, há uns meses, apareceu a Julice.

 

Não é, portanto, obsessão. Ou talvez seja. Aquele traço obsessivo expresso na ânsia de encontrar um croissant que de fato valha a pena, que faça lembrar croissants comidos em outras latitudes.

 

O prazer de comer um anacrônico panetone de agosto e descobrir, pela primeira vez em muitos anos, que ele não traz aquele insuportável cheiro de essência. Traz gosto e leveza.

 

Traço obsessivo — aquele que a vida aos poucos provoca no paladar da gente — de não querer mais coisas ruins ou sem graça, desnecessárias.

 

Obsessão do sabor.

 

Obsessão pelo pão da Julice.

 

Julice Boulangère

Rua Deputado Lacerda Franco, 536, Pinheiros, SP

tel.  11  3097 9144  3097 9162