Sobre mamutes, crenças e estupefações

24/03/2011

 

O Paladar de hoje é todo dedicado à mamutesca obra de Nathan Myrhrvold. O assunto, grosso modo, é tecnologia e ciência na cozinha.

Tudo é fabuloso no trabalho de Myhrvold. O empenho, a obsessão, a disposição para o confronto, o resultado: cinco polpudos volumes, que, como já observou Carlos Dória, muitíssimos citarão, pouquíssimos lerão.

A reportagem, assinada por Olivia Fraga, respeita o alto padrão do caderno, sem igual nessas terras em que (nem) tudo dá.

Li, reli e não contive a estupefação. Só que ela não surgiu em função do que Myhrvold afirma ou faz. Aparentemente há pesquisas profundas e palpites vagos, criteriosamente misturados. Óbvio que não li a obra; portanto, não avalio.

Fiquei, na verdade, estupefato com o pano de fundo de tudo isso: uma contradição profunda e desconfortável:

Tudo parece estar revolvido, tudo parece ser contestável e contestado, iconoclastia é a palavra de ordem.

No entanto, persiste — firme e robusta — a crença na positividade e verdade da tecnologia e da ciência.

Persiste, ainda, a aposta de que elas podem viver desconectadas da realidade, observando-a de fora, protegidas e superiores.

Se não bastasse, também persiste o autorreconhecimento como vanguarda.

Pois é.

A mesma positividade e verdade científicas que durante quase todo o século XX foram questionadas — inclusive pela microbiologia, aparente eixo de abertura da obra.

O mesmo desprezo pelo mundo real e suas assimetrias, seu acaso, seu incalculável. O desprezo que Mallarmé, Nietzsche e tantos outros denunciaram como autoritários.

A mesma autocelebração como vanguarda, independentemente do conceito não frequentar os debates culturais mais consistentes desde a década de 1950. Num tempo que não pode ser representado como linha, num mundo em que os caminhos são tantos, e tão diferentes uns dos outros, como identificar quem está à frente?

Claro que essas crenças subterrâneas jamais seriam admitidas pelos discursos em geral empolgados dos que celebram as molecularidades gastronômicas e assemelhados.

Mas sua prática e as cifras que subjazem à sua retórica confirmam.

Meu Deus — me resta evocar —, não bastou o horror trazido pela revolução industrial do XVIII e a ciência da bomba no XX? Tecnologia e ciência, caros positivistas, é sempre bom e verdade?

Não valeria a pena, junto com a iconoclastia de fachada, exercitar um pouco a autorreflexão e, melhor, a autocrítica?


7 Respostas to “Sobre mamutes, crenças e estupefações”

  1. marcelo Says:

    “Num tempo que não pode ser representado como linha, num mundo em que os caminhos são tantos, e tão diferentes uns dos outros, como identificar quem está à frente?”

    Caramba, não esperava – apesar da qualidade conhecida e reconhecida de seus textos – uma síntese tão perfeita do pensamento humanista. Obrigado.

  2. alhos Says:

    Marcelo,
    obrigado.
    Mas é isso, não é? Como falar em vanguarda?
    Abraços!

  3. fernanda Says:

    Alhos,
    Ainda nao li o Paladar.
    Seu aborrecimento eh com a materia ou o livro?
    Abs,

  4. alhos Says:

    Fernanda,
    tudo bem?
    Na verdade, não é aborrecimento, mas estupor.
    E não é com nenhum dos dois. A matéria é excelente e o o livro deve ser interessante.
    Meu espanto é com a persistência, no mundo da gastronomia, de um conceito de ciência e de tecnologia que é totalmente ultrapassado, acrítico.
    Mas enfim…
    Abraços!

  5. wair Says:

    Bem, tenho uma tendência à cozinha tradicional – ou menos modernista, por assim dizer – e, ao mesmo tempo,sou possuído por uma curiosidade quase infantil. Fiz o teste do vinho – uma meia garrafa de um malbec correto (Catena Zapata). O que tomei após a “hiperventilação” foi algo estranho, parecia uma cerveja que congelou, descongelou e foi servida. Parecia que algo “faltava”, e não que algo foi realçado. As vezes tenho a impressão de que cientistas confundem simples com simplificado. Creio que foi Oscar Wilde quem vaticinou que as coisas simples são o último refúgio de um espírito complexo.
    E seu texto é magnífico!abs

  6. kaki Says:

    Alhos,
    pegando o trecho citado pelo Marcelo me obrigo a perguntar….por que a necessidade de identificar quem está à frente?Por simplesmente não se pode ser(ou estar)?
    Independente de todo o resto?
    Até!

  7. alhos Says:

    Wair,
    tudo bem?
    Confesso que não arriscaria a experiência. rs
    Abraços!

    Kaki,
    tudo bem?
    Mais de cem anos depois do início do XX, acho que ‘vanguarda’ (com sua decorrente concepção linear da história, metáfora de ‘trem’ e tudo mais) continua a ser uma grife, algo que dá legitimidade ao que se propõe. Infelizmente.
    Abraços!


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: